Barcelona usa Real Sociedad para contornar crise antes de decisão

João Henrique Marques

Do UOL, em Barcelona

  • REUTERS/Jon Nazca

Em Barcelona, todos só falam em uma possível nova virada na Liga dos Campeões. Mas antes de encarar a Juventus pelas quartas de final, o time atua neste sábado, às 15h45 (de Brasília) diante da Real Sociedad, pelo Campeonato Espanhol, no Camp Nou. A partida ganhou importância para a realização de testes no time e a tentativa de evitar uma crise por conta de uma nova derrota dolorida - 3 a 0 para a Juventus, em Turim.

"Perder um jogo de Liga dos Campeões nos causa muita dor. Não estamos 100% como equipe, mas vamos jogar com vontade. Necessitamos desses pontos para dar uma injeção de moral e ainda seguir lutando pelo título da Liga (espanhola)", comentou Luis Enrique.

Por conta dos objetivos citados, o treinador do Barcelona não programa o já famoso rodízio de jogadores no time. Os únicos ausentes são o argentino Mascherano, lesionado, e Neymar, suspenso.

A dúvida do time é justamente a de encontrar um substituto para Neymar. O meia turco, que teve bom rendimento na temporada atuando pelo setor esquerdo do ataque do time, é o mais cotado. O atacante Paco Alcácer e o meia Deniz Suárez são as outras opções.

O setor esquerdo em que Neymar atua será alvo de testes no Barcelona. A análise de que o brasileiro ficou isolado, tendo dificuldade em Turim diante da boa marcação de Cuadrado e Daniel Alves é unânime. No jogo, os franceses Mathieu, no primeiro tempo, e o Umititi, no segundo, foram os encarregados de apoiar o brasileiro.

"Vai ser uma partida (contra a Real Sociedad) importante para o Jordi Alba. Esse é o jogador que ajuda a desafogar o Neymar e perdeu espaço por aqui. É uma obrigação a presença dele diante da Juventus seja qual for o lado do campo", comentou o jornalista Bruno Alemany, dá rádio espanhola Cadena Ser.

No Campeonato Espanhol, o Barcelona ocupa a segunda colocação com 69 pontos, três atrás do líder Real Madrid. Pressionar o arquirrival também é uma obrigação do time diante de uma torcida extremamente exigente.

"Tem uma parte do campo que certamente vai animar os jogadores. Não há motivo para vaias, e que esperam o final da temporada. Prefiro também que não vaiem o treinador. Não vamos nos render. Vejo a vontade de lutar contra tudo aqui dentro", destacou Luis Enrique.

UOL Cursos Online

Todos os cursos