Em jogo com homenagens e gol polêmico, Barcelona vence na estreia

Do UOL, em São paulo

O Barcelona venceu o Betis por 2 a 0 neste domingo (20), no Camp Nou, em partida válida pela primeira rodada do Campeonato Espanhol 2017/2018. No entanto, tudo que houve de mais relevante não esteve nas quatro linhas. Três dias depois de um atentado na Catalunha e menos de um mês após a saída de Neymar, que trocou o time espanhol pelo Paris Saint-Germain, o que se viu foi um jogo marcado por ausências.

Foi ausência o sentimento dos momentos que precederam a partida, por exemplo. Houve uma série de homenagens às vítimas do atentado que ocorreu nas ramblas de Barcelona, com direito a vídeo no telão do Camp Nou e emoção no minuto de silêncio.

Também foi assim para quem viu o Barcelona em campo. Sem Neymar, o técnico Ernesto Valverde também não pôde contar com Iniesta e Suárez, ambos machucados. O brasileiro Paulinho, um dos reforços para esta temporada, também não pôde estrear. Até o zagueiro Piqué, referência no elenco catalão, ficou no banco de reservas – vinha reclamando de dores musculares.

Até o primeiro gol do Barcelona foi marcado pela ausência. Afinal, Messi tocou ou não na bola cruzada por Deulofeu? O camisa 10 estava no lance, mas participou efetivamente? O perfil oficial do Barcelona na rede social Twitter atribuiu o tento ao argentino, mas o site da Liga Espanhola disse que foi contra.

O melhor: Messi

Num jogo em que os torcedores do Barcelona estavam pensando mais no que não estava em campo, Lionel Messi foi exceção. O camisa 10 não brilhou como em seus melhores momentos com a camisa da equipe catalã, mas ainda assim foi a figura mais lúcida em campo e proporcionou praticamente todos os lances mais agudos de seu time.

O pior: Tosca

O gol contra rende pontos, é claro, mas não foi apenas por isso que o lateral esquerdo do Betis se destacou negativamente. Ele ofereceu muito espaço para Deulofeu na defesa e não conseguiu superar Semedo nas poucas vezes em que se arriscou na frente. Perdeu praticamente todos os duelos individuais e errou a composição da última linha em muitos momentos.

Emoção e homenagens marcam pré-jogo em Barcelona

Foram emocionantes os momentos que precederam o jogo deste domingo em Barcelona. Em cartazes de torcedores, uniforme da equipe local e na liturgia do campo, houve várias menções ao atentado que aconteceu na cidade na última quinta-feira (17) e deixou pelo menos 14 mortos.

O Barcelona teve duas mudanças no uniforme para se lembrar da ocasião. Nas costas, em vez dos nomes, a parte superior das camisas tiveram estampado o nome da cidade. Na frente, a inscrição "#SomostodosBarcelona" em catalão.

A frase foi a mesma estampada em faixas e cartazes de vários torcedores nas arquibancadas do Camp Nou, que teve um minuto de silêncio emocionante antes de a bola rolar. O estádio teve um esquema de segurança especial neste domingo – a revista de torcedores foi mais minuciosa, por exemplo, e objetos como malas e mochilas de tamanho grande foram vetados.

Reprodução

Estreia? No Barcelona, assunto é o mercado

Esqueça a primeira rodada do Campeonato Espanhol. Esqueça a presença de Messi em campo ou a curiosidade da torcida para ver como o Barcelona se comportaria na liga nacional sem a presença de Neymar, negociado com o Paris Saint-Germain. Um dos maiores indícios de como a fase atual do time catalão é conturbada é que as principais notícias deste domingo vieram de fora do campo.

Antes da partida contra o Betis, por exemplo, os jornais catalães "Sport" e "Mundo Deportivo" publicaram notícias sobre um interesse do Manchester City na contratação de Lionel Messi, cujo contrato com o Barcelona termina no fim da atual temporada. O argentino já chegou a um acordo com a diretoria para renovar, mas ainda não assinou o novo vínculo. A informação foi posteriormente desmentida por fontes ligadas à equipe inglesa, mas já foi suficiente para esquentar o clima.

Aconteceu o mesmo com jogadores que o Barcelona persegue no mercado. O time ainda tenta contratar nomes como Seri, Dembelé e até o brasileiro Coutinho. O técnico Ernesto Valverde chegou a reclamar no sábado (19) e dizer que gostaria de estar com o elenco fechado neste momento da temporada, mas o mercado ainda é mais relevante do que o campo para os catalães.

Desfalques e Piqué no banco

A primeira escalação de Ernesto Valverde como treinador do Barcelona no Campeonato Espanhol teve algumas surpresas. Sem poder contar com os lesionados Luis Suárez e Iniesta ou com o brasileiro Paulinho, que ainda não foi regularizado, o comandante da equipe catalã colocou Mascherano ao lado de Umtiti na defesa, acomodou Sergi Roberto no meio (posição em que ele prefere atuar) e pôs Paco Alcácer e Deulofeu para fazer companhia a Lionel Messi no ataque.

No Betis, a principal surpresa foi uma decisão que evitou a existência da "lei do ex". Ex-Barcelona, o atacante Cristian Tello foi vetado pelo técnico Quique Setién por não reunir condições físicas – o jogador sofreu uma lesão na pré-temporada, não disputou um minuto sequer em amistosos e estava sem ritmo.

Domínio do Barcelona esbarra em defesa do Betis

Em alguns aspectos, o Barcelona deste domingo lembrou as formações mais vitoriosas que o clube teve recentemente. Dominou a bola – teve mais de 70% de posse em quase todo o confronto –, trocou muitos passes e fez o Betis girar de um lado para outro no campo.

O que chamou atenção, contudo, é que o Barcelona não conseguiu traduzir esse domínio em pressão no início do jogo. As melhores oportunidades dos donos da casa nos minutos iniciais aconteceram em bolas paradas ou chutes de longe.

A falta que mais repercutiu no primeiro tempo

Com o Barcelona comedido, o lance que mais chamou atenção no início da partida foi uma "falta". Não de um jogador, mas do árbitro Trujillo Suárez, que derrubou o meio-campista Camarasa, do Betis.

De quem foi o gol?

Messi já havia colocado uma bola na trave em cobrança de falta, aos 35min, quando aconteceu o lance mais discutível do primeiro tempo. No minuto seguinte, Deulofeu bateu cruzado da direita. O argentino se movimentou na direção da bola, mas quem resvalou nela foi o lateral esquerdo Tosca, que mandou para as próprias redes. Afinal, quem foi o autor do gol?

Segundo o perfil oficial do Barcelona na rede social Twitter, o gol foi de Messi, que não tocou na bola. O site da Liga Espanhola atribuiu o gol a Tosca.

Em vantagem, Barcelona encontra espaço

Independentemente do responsável por abrir o placar, o fato é que a vantagem deu mais tranquilidade ao Barcelona. Tanto é que Deulofeu fez nova jogada pela direita aos 39min e cruzou rasteiro para trás. Sergi Roberto apareceu livre na área e fez o segundo.

Barcelona reduz ritmo, mas segue no controle

A despeito de ter diminuído o ritmo depois do segundo gol, o Barcelona seguiu controlando o jogo. Teve nove finalizações na primeira etapa (o Betis conseguiu apenas uma) e controlou a bola em mais de 60% do tempo.

No período complementar, esse domínio foi ainda mais evidente. Mesmo em desvantagem, o Betis pouco fez para incomodar a defesa do Barcelona. Os catalães tiveram espaço para trocar passes entre as linhas dos rivais e tiveram as melhores chances no segundo tempo.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos