Topo

Esporte


Relâmpago! Arão supera números do Botafogo e vira xodó de Muricy no Fla

Pedro Martins/AGIF
Willian Arão comemora um dos quatro gols marcados pelo Flamengo na temporada Imagem: Pedro Martins/AGIF

Vinicius Castro

Do UOL, no Rio de Janeiro

23/02/2016 06h00

Willian Arão é o nome do Flamengo no começo de temporada. O volante chegou ao Rubro-negro com desconfiança de parte da torcida, mas conquistou o espaço e virou o xodó do técnico Muricy Ramalho de forma relâmpago. O camisa 5 é praticamente insubstituível e considerado pelo comandante uma peça fundamental na engrenagem.

Se o Botafogo ainda questiona a transferência para o Flamengo, Willian Arão aparenta não se importar com a polêmica e mostra evolução a cada jogo. O volante supera os números pelo Alvinegro em apenas nove partidas - dois amistosos. Já são quatro gols marcados - o último na vitória por 2 a 1 sobre o Fluminense -, algo que ele só conseguiu em General Severiano após 26 jogos.

Na passagem pelo Botafogo, Arão disputou 58 partidas e balançou as redes sete vezes - média de 0,12 gols/jogo. Ele recebeu sete cartões amarelos e um vermelho. Na Gávea, Arão tem média de 0,44 gols/jogo e ainda não recebeu cartões.

O camisa 5 também se destaca pelos passes e combates no meio de campo. Tudo isso o transformou no xodó de Muricy Ramalho. Arão é elogiado com frequência pelo técnico. Não é exagero afirmar que o Flamengo do treinador conta com o volante e mais dez.

“Ele é mais forte na frente do que na marcação. É um jogador muito perigoso quando vem de trás e faz gols. Hoje não cabe mais aquele volante brucutu. É um segundo volante extremamente moderno”, afirmou Muricy.

Próximo de completar 24 anos, Willian Arão está em êxtase. O volante escolheu se transferir para o Flamengo com a esperança de se destacar e conquistar títulos. Ele também deixou clara a confiança no comandante para deslanchar na carreira. Por enquanto, a relação entre Arão e Flamengo é sucesso absoluto.

“Ele [Muricy] me dá liberdade para avançar e as oportunidades estão surgindo. Tenho a cabeça boa. Sei do meu potencial e do trabalho que preciso fazer. Isso tudo é com a ajuda do professor. Trabalhei com ele quando estava na base do São Paulo. Treinei algumas vezes quando ele era o técnico do profissional. O Muricy dá bronca quando precisa dar, elogia quando precisa elogiar. É um treinador sensato e que sabe equilibrar muito bem as coisas”, comentou um prestigiado volante em entrevista ao Sportv.

Mais Esporte