UOL Esporte Campeonato Gaúcho
 
05/04/2010 - 09h45

Fossati pede que Inter pense mais e corra menos para vencer com facilidade

Jeremias Wernek
Em Porto Alegre
  • Para Fossati, D'Ale foi bem ao contrário de Giuliano

    Para Fossati, D'Ale foi bem ao contrário de Giuliano

Entre goleadas, jogos decididos com desvio de zagueiros e resultados magros, o Inter de Jorge Fossati tem uma característica que salta aos olhos: se movimenta muito. Do meio para frente é quase uma corrida maluca de um lado para o outro. São os atacantes invertendo lados, os meias tabelando com laterais e entre si, enfim. Porém, essa velocidade toda não é tão fundamental. Ao invés de bater perna em todas as direções, o treinador quer uma equipe que pense mais.

Diante do Universidade, o primeiro do Inter foi sofrível. “O primeiro tempo corremos muito e pensamos pouco. Nesta hora dos jogos consecutivos, temos que pensar mais e correr menos. Foi o principal erro, na hora de atacar”, analisou Fossati, em entrevista depois da vitória de 4 a 0, construída depois do intervalo. “Com ordem e inteligência, fizemos o segundo tempo ser mais claro para o Inter. Explorando caminho e sem se esforçar tanto”, completou.

Nesta temporada, o time vermelho tem repetido muito o padrão de cercar o adversário no campo de ataque e chutar pouco, tanto com os homens de frente quanto com os meias. Giuliano teve um rendimento muito ruim, bem abaixo de sua média desde que chegou ao Inter. O gringo D’Alessandro sumia em muitos momentos da partida, mas Fossati gostou.

INTERNACIONAL NO TWITTER

“O Giuliano não esteve a altura de suas possibilidades e a atuação do Andrés foi boa, durante todo o jogo. Não podemos esquecer que eles jogam a cada três dias e é difícil evitar o cansaço que afeta o nível de atuação. Na quarta, Giuliano não foi a super estrela e agora não foi o pior do grupo. O Giuliano não jogou o que pode”, concluiu o técnico.

A ressalva física encontra outro argumento na explanação do comandante. Para Jorge Fossati, pensar o jogo é uma tarefa dos onze jogadores no campo. “Eles (Giuliano e D’Alessandro) fizeram seu trabalho. Não cai sobre eles a responsabilidade de pensar o jogo. Essa é uma obrigação de todos”, disse.

Na partida contra o Novo Hamburgo, quarta-feira, no estádio do Vale, o esquema deve seguir o 4-4-2. Andrezinho não fez muita coisa diferente quando entrou na etapa final contra o Universidade e Giuliano pode seguir no time. Guiñazu e Kleber, poupados, retornam naturalmente. Vencendo, o Inter joga no sábado contra Caxias ou Ypiranga, de Erechim.
 

Compartilhe:

    Placar UOL no iPhone

    Hospedagem: UOL Host