Barrios marca de novo, mas não está perto de ganhar vaga no Grêmio. Entenda

Marinho Saldanha

Do UOL, em Porto Alegre

Lucas Barrios entrou aos 9 minutos do segundo tempo. Em 36 minutos, marcou um bonito gol. Mas a marca não serve para postular vaga de titular no ataque do Grêmio. O que por um lado é bom, para ele é ruim. O rendimento do setor ofensivo o atrapalha. 

A movimentação entre Luan e Miller Bolaños tem rendido muito bem. Ambos atacantes móveis, alternam-se nas funções de meia centralizado ou homem mais próximo do gol adversário. Foi exatamente assim que saiu o segundo gol do Grêmio na goleada por 5 a 0 diante do Veranópolis, neste sábado, pelas quartas de final do Campeonato Gaúcho. 
 
A dupla ainda conta com algo que agrada muito o técnico Renato Gaúcho: a distração do adversário. A movimentação abre espaços e dá alternativas para entrada de jogadores que jogam abertos, hoje Pedro Rocha e Léo Moura. 
 
"Eu sempre falo para meus atacantes não aceitarem a marcação do adversário. Mas se deslocar abrindo espaços. Hoje (sábado) fizeram isso muito bem. Não importa quem faça os gols, mas muitas vezes é necessário jogar sem a  bola. Claro que é importante para o atacante marcar, quando não marcam ficam aborrecidos, mas o mais importante é que o Grêmio vença", disse o comandante. 
 
A boa fase da linha ofensiva, cujo artilheiro é Bolaños, com sete gols, impede a titularidade da maior contratação para a temporada. Lucas Barrios, contudo, garante que não se incomoda com tal situação. 
 
"Todo mundo acha que o jogador tem que chegar ao time e pelo nome que construiu no futebol, pegar a vaga. Mas eu sempre respeitei meus companheiros. Estou trazendo para o Grêmio o que fiz na minha carreira. Respeito, dedicação, ajuda aos colegas. E com o tempo vou ganhando meu espaço. É o que o Grêmio precisa hoje, que eu entre nos jogos, ajude o time e siga somando minutos", explicou o paraguaio. 
 
Barrios chegou com festa. Foi recepcionado por mais de mil torcedores e tem contrato até o fim do ano. Trocou o Palmeiras pelo Grêmio exatamente pelo que ainda não está acontecendo: a oportunidade de ter uma sequência de jogos. 
 
"Estou rendendo mais a cada dia. Posso me adaptar a qualquer sistema de jogo. Estou contente pela confiança que o treinador me dá, foi ele quem me trouxe para o clube. O importante é dar conta do recado quando entra. É bom que o time esteja bem", simplificou Barrios. 
 
E o 'problema bom' também é celebrado por Portaluppi, que prefere ter muitas opções do que não ter nada. 
 
"Prefiro quebrar minha cabeça com vários jogadores em cada posição querendo jogar e jogando bem do que olhar para o lado e não ter opções. O grupo é bom, é forte, e o importante é o Grêmio crescer cada vez mais", finalizou. 
 
Na terça-feira, o Tricolor muda de campeonato. Em vez do Gauchão, a Libertadores no calendário e o duelo contra o Deportes Iquique, do Chile, a partir das 21h45 (de Brasília), na Arena. 
 

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos