D'Ale vê N. Hamburgo como favorito ao Gaúcho e elogia concorrência no Inter

Marinho Saldanha

Do UOL, em Porto Alegre

  • Ricardo Duarte/Inter

    D'Alessandro disse que o último campeão é favorito ao Gauchão, apesar de não começar bem

    D'Alessandro disse que o último campeão é favorito ao Gauchão, apesar de não começar bem

D'Alessandro disse que o Novo Hamburgo é o favorito no começo deste Gauchão. Segundo ele, o peso do título do ano passado faz com que o lanterna da atual competição o time a ser batido. Sobre o Inter, D'Ale não liga para concorrência. Pelo contrário, quer mais é que os colegas estejam preparados para jogar.

"É muito difícil porque os clubes têm planejamento diferente. A partir das competições são feito planejamentos. Eu não sei. O favorito no Gauchão hoje é o Novo Hamburgo, o último campeão. Obviamente que hoje deu pra ver que o Brasil e o Caxias estão bem, ganharam os três jogos. Mas o último campeão é o favorito. Hoje, o último campeão é o time a bater. Que não tenha até o momento uma campanha que não condiz com ano passado, tudo bem. Mas o time a bater é ele", disse em entrevista coletiva.

Campeão exatamente sobre o Inter no ano passado, o Novo Hamburgo começou mal a competição deste ano. Não soma um ponto sequer e tem saldo negativo de sete.

Sobre o Internacional, na primeira coletiva do ano, o capitão do time elogiou a formação do elenco e a concorrência interna por espaço.

"Ano passado até forçavam para jogar junto eu e o Camilo. Este ano já ouvi que não dá para jogar junto. O futebol é engraçado. Faz uma enquete depois de um jogo que eu não joguei, pedindo que eu tenho que sair do time, e no outro dia estão elogiando. Quem tem que ter a cabeça no lugar é o atleta. Quem tem que saber o que faz bem ou mal é o atleta. Primeiro. Depois o que vier de fora tem que ouvir, saber o que acontece... Eu sei tudo que acontece fora. Tem que pegar o bom, e administrar o ruim. O Camilo é um excelente jogador, vai nos ajudar muito, quem decide é o treinador. Ver o trabalho na semana, quem pode jogar por dentro, por fora, um tempo para cada, quem joga. O importante é um grupo. Independente dos nomes, ter um funcionamento mellhor e evoluindo. Depois disso, temos várias opções", disse. "São dois jogos, e já começam a criar estas coisas, tem que sair que entrar. Coloca o reserva.... Tem que tentar ficar fora disso. Eu quero que todo mundo esteja pronto para aproveitar sua oportunidade. Fará com que a exigência e o rendimento cresça. Eu me preocupo é com jogador que não quer jogar. Quem fica no banco e dá igual. Este me preocupa. O cara que quer jogar sempre, eu quero do meu lado. Isso faz com que o grupo cresça. Se preocupe, o cara titular hoje, tenha que se esforçar mais. Saiba que tem outro atrás que está ali, se ele bobear. Isso não pode preocupar o ambiente. O ambiente é ótimo, sempre foi assim. Não é por causa de um cara novo, que conta, não o ambiente sempre foi bom. Isso nunca nos atrapalhou", completou.

O Inter encara o Avenida no próximo sábado às 16h30 (de Brasília), no Beira-Rio. Com 6 pontos em três jogos, o time vermelho é terceiro colocado no Gauchão.
 

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos