'Mascote robô' cria experiência virtual para pequeno torcedor deficiente

Do UOL, em São Paulo

A tecnologia encontrou o futebol nesta segunda-feira (23), segundos antes de uma partida do Campeonato Inglês. Desta vez o protagonismo não foi do árbitro de vídeo, mas de um robô que entrou em campo carregado por um dos jogadores do Everton. O "mascote" filmou o protocolo de entrada em campo, e as imagens criaram uma experiência virtual para o torcedor Jack McLinden, de 14 anos, que tem alguns problemas de saúde e mobilidade reduzida.

O robozinho esteve a todo tempo conectado com um smartphone na casa de Jack, que assim pôde viver a experiência de entrar no gramado do Goodison Park em tempo real. O pequeno fanático pelo Everton tem múltiplas condições de saúde, incluindo o uso de cilindro de oxigênio e cadeira de rodas, o que reduz sua mobilidade.

Chamado de AV1, o robô foi projetado e fabricado pela empresa norueguesa "No Isolation" ("sem isolamento", na tradução livre). O objetivo é combater a solidão em crianças e adolescentes com doenças de longo prazo, permitindo que eles frequentem ambientes nos quais não podem estar presencialmente. É possível ver, ouvir e comunicar-se por meio do dispositivo.

Segundo o Everton, é a primeira experiência no mundo que permite a um torcedor ser mascote de forma remota. "O mais importante para todos no clube é que demos uma ótima oportunidade a um incrível jovem torcedor do Everton. Esperamos que esta seja uma lembrança que ele guarde para sempre", diz o diretor de engajamento do clube inglês, Scott McLeod.

Além da experiência virtual, Jack McLinden pôde comemorar ainda a vitória do Everton, que bateu o Newcastle por 1 a 0 e ultrapassou o adversário na classificação do Campeonato Inglês. O time azul de Liverpool é agora o nono colocado.

UOL Cursos Online

Todos os cursos