UOL Esporte Libertadores
 
José Jácome/EFE

Giuliano comemora gol de empate em Quito; Inter jogou pouco diante do Deportivo Q.

12/03/2010 - 01h30

Inter catimba, segura empate e segue sem vencer em Quito

Do UOL Esporte
Em Quito, Equador

Na altitude de 2.850 metros acima do nível do mar, o Inter jogou pouco, arriscou muito de longe e teve que apelar para a catimba. Com a artimanha, segurou o empate com o Deportivo Quito, e segue sem conhecer vitórias em Quito. O gol vermelho saiu dos pés de Giuliano, mas foi um lampejo de força ofensiva. O multi campeão, Abbondanzieri foi um esteio importante na conquista de um ponto no Equador com defesas fantásticas e experiência em momentos críticos.

PRINCIPAIS LANCES

PRIMEIRO TEMPO
4 min - Sandro pega sobra da zaga e arrisca, mas pega mal.
6 min - Giuliano recebe de Kleber e dispara, de muito longe, querendo tirar proveito da altitude.
16 min – Niell bate na saída de Abbondanzieri e Sorondo salva, quase em cima da linha.
24 min - Giuliano limpa, mira e dispara do meio-campo. Bola vai forte, mas para fora.
33 min – GOL DO D. QUITO! Minda aproveita confusão na pequena área e empurra pro gol.
37 min – Arroyo dá meia lua em Juan e bate forte. Pato só olha e bola vai para fora.
39 min – GOOOOL DO INTEER! Alecsandro bate, trave salva. Edu encosta, mas é Giuliano quem marca.
SEGUNDO TEMPO
12 min – Kleber bate e Ibarra defende falta em dois tempos.
15 min – Niell sobe, livre, e cabeceia. Pato acompanha com os olhos.
18 min – Donoso chuta, livre, e perde gol incrível. Salva-se o Inter
27 min – Pato sai do gol e se atrapalha com a bola. Quase segundo do Deportivo Quito.
46 min - Abbondanzieri se estica e evita mais um gol com a mão direita.

O Internacional começou o jogo em Quito seguindo a risca as orientações da comissão técnica. O pedido de Jorge Fossati, de chutar mais de fora da área, foi atendido por Giuliano e Alecsandro – principalmente. Já a indicação de controlar a bola com calma, só foi cumprida até os 30 minutos. O Inter bem que tentou correr certo, definição do preparador físico Alejandro Valenzuela, mas aos poucos entrou no jogo do Deportivo Quito.

As grandes chances até os 15 minutos de jogo foram do Inter, no entanto nenhuma nítida, somente com arremates potentes de longe. Aos 16 minutos um susto grande, tal qual a altitude na cidade equatoriana. Neill recebeu e bateu na saída de Abbondanzieri. Sorondo tirou a bola quase em cima da linha. Giuliano deu a resposta oito minutos mais tarde, quando recebeu, calibrou e chutou com violência. No entanto, o disparo saiu a esquerda do goleiro Ibarra.

Dois gols em seis minutos e outra cara para o jogo

A cara da partida mudou quando o Deportivo Quito conseguiu encaixar uma boa jogada. Aos 33 minutos, Arroyo foi na linha de fundo e tocou no meio. Confusão geral na defesa e Niell desviou, Abbondanzieri tocou para cima e Minda escorou para o fundo da rede. Logo depois, o mesmo Arroyo deixou Juan na saudade e bateu a direita do gol do Inter.

A resposta vermelha começou nos pés de Guiñazu, seis minutos depois do gol equatoriano. O argentino serviu Kleber, este Alecsandro que desferiu o mais forte chute da primeira etapa. Ibarra escapou contando com a trave. O rebote veio rápido demais e não permitiu domínio para Edu. Giuliano pegou a sobra, dentro da área e fez. Tranquilidade restabelecida antes do final do primeiro tempo.

Experiência de Pato muda decisão do juiz

O segundo tempo começou e o ritmo do jogo mudou. Tanto Inter quanto Deportivo Quito alteraram as posturas. O time da casa explorava lançamentos longos. O Internacional ficou baseado em jogadas individuais de Giuliano e Kleber. Aos sete minutos um choque de Abbondanzieri com Pirchio. O árbitro colombiano José Buitrago assinalou pênalti, para desespero de todos. O goleiro, porém, indignou-se e foi conversar com o assistente. Os três títulos da Libertadores pesaram no momento crucial e a arbitragem corrigiu o que seria um erro grosseiro.

Visivelmente descontado por sentir dores no tornozelo direito, o goleiro argentino contou com a sorte aos 18 minutos. Donoso recém havia entrado e pegou a sobra, dentro da grande área. De frente para o gol, o atacante do Deportivo Quito perdeu um gol inacreditável. O lance exemplificava o momento do Inter na partida, apático e submisso.

A partir de então, todo e qualquer lance possível tinha a catimba do Inter em ação. Roberto Abbondanzieri, atrapalhado e milagroso, foi importante nesta prática. Cada tiro de meta demorava quase um minuto para ser cobrado. Sentido o jogo fugir entre os dedos, o técnico do Inter mexeu mais duas vezes. Primeiro tirando Giuliano e inserindo Wilson Mathias. Depois, Taison ocupou a vaga do apagado Alecsandro.

Aos 46 outra defesa difícil de Pato. Uma cabeçada a queima roupa, mas que encontrou o braço do gringo para não ao fundo do gol. Sem nenhum resistência do ataque, nem sendo capaz de prender a bola, o empate foi comemorado. Resultado do traço sul-americano presente na escalação do Internacional.
 

DEPORTIVO QUITO 1 X 1 INTERNACIONAL

Deportivo Quito
Ibarra; Checa, Iván Hurtado, Isaac Mina; Minda; Saritama, Castro, Michael Arroyo (Donoso), Aguirre; Niell e Marcos Pirchio (Borghello)
Técnico: Rúben Insúa

Internacional
Abbondanzieri; Índio, Sorondo e Juan; Bruno Silva, Sandro, Guiñazu, Giuliano (Wilson Mathias) e Kleber; Edu (D'Alessandro) e Alecsandro (Taison)
Técnico: Jorge Fossati

Data: 11/03/2010 (quinta-feira)
Local: estádio Olímpico Atahualpa, Quito. Equador
Árbitro: José Buitrago (Colômbia)
Auxiliares: Wilson Berrío (Colômbia) e Javier Camargo (Colômbia)
Cartões amarelos: Alecsandro (I), Aguirre (D), Mina (D), Juan (I), Hurtado (D), Niell (D), Abbondanzieri (I), D'Alessandro (I), Bruno Silva (I)
Gols: Minda, aos 33 min; Giuliano, aos 39 min do primeiro tempo;
 

Compartilhe:

    Placar UOL no iPhone

    Hospedagem: UOL Host