UOL Esporte Libertadores
 
05/05/2010 - 07h00

São Paulo vence pela 5ª vez nos pênaltis, evita crise e vê moral elevado

Carlos Padeiro
Em São Paulo
  • Rogério Ceni erra cobrança, defende dois pênaltis e salva o São Paulo de eliminação no Morumbi<br><br><B>VITÓRIAS NOS PÊNALTIS</B><BR>- 2010: São Paulo 3 x 1 Universitario-PER<br>- 2006: São Paulo 4 x 3 Estudiantes-ARG<br>- 2004: São Paulo 5 x 4 Rosário Central-ARG<br>- 1994: Olímpia-PAR 3 x 4 São Paulo<br>- 1992: São Paulo 3 x 2 Newell's Old Boys-ARG<br><br><B>DERROTA NOS PÊNALTIS</B><br>- 1994: São Paulo 3 x 5 Vélez Sarsfield-ARG

    Rogério Ceni erra cobrança, defende dois pênaltis e salva o São Paulo de eliminação no Morumbi

    VITÓRIAS NOS PÊNALTIS
    - 2010: São Paulo 3 x 1 Universitario-PER
    - 2006: São Paulo 4 x 3 Estudiantes-ARG
    - 2004: São Paulo 5 x 4 Rosário Central-ARG
    - 1994: Olímpia-PAR 3 x 4 São Paulo
    - 1992: São Paulo 3 x 2 Newell's Old Boys-ARG

    DERROTA NOS PÊNALTIS
    - 1994: São Paulo 3 x 5 Vélez Sarsfield-ARG

Clube brasileiro que mais vezes conquistou a Copa Libertadores na história, o São Paulo manteve a tradição de levar a melhor em disputas por pênaltis. Na noite da última terça-feira, depois de parar, sob vaias, na retranca peruana e ficar no 0 a 0 diante do Universitario, em pleno Morumbi, a equipe tricolor obteve a vaga nas quartas de final com uma vitória por 3 a 1 nas penalidades.

Esse foi o quinto triunfo são-paulino nos pênaltis na história do torneio continental – antes, o clube eliminou o Estudiantes em 2006, o Rosário Central em 2004 e o Olímpia em 1994, além de ter sido campeão sobre o Newell’s Old Boys em 1992 (3 a 2, em noite consagradora para Zetti). A única derrota aconteceu na final de 1994, para o Vélez Sarsfield (5 a 3 no Morumbi).

Dessa forma, o clube paulista escapou de uma crise, que seria inevitável em caso de adeus precoce à Libertadores, contra um adversário modesto. Mais do que isso, jogadores e o técnico Ricardo Gomes adotaram o discurso de que o sofrimento inesperado eleva o moral para a sequência da competição.

“Crise todo mundo vai passar, exceto o campeão da Libertadores. Tenho a felicidade de saber que vou acordar e pensar: ‘ufa, não somos nós que estamos em crise’. Nesta quarta, com certeza um time brasileiro entrará em crise”, comentou Rogério Ceni, referindo-se ao duelo entre Corinthians e Flamengo. "Quem sabe dois...", completou, já que o Cruzeiro também entra em campo.

O capitão são-paulino teve papel fundamental no triunfo sobre o Universitario. Primeiro ele deixou os torcedores apreensivos ao errar a sua cobrança. Depois, defendeu dois pênaltis e se redimiu. “Uma vitória simples por 1 a 0 não teria a mesma emoção”, observou.

Ricardo Gomes, mais uma vez criticado pela torcida, segue à frente da comissão técnica. Um revés para os peruanos provavelmente resultaria na sua demissão.

“Com certeza essa vitória dá moral. Vencemos não só um adversário, mas a ansiedade. A obrigação era toda nossa diante de um time sem a mesma responsabilidade. Vencer tudo isso é importante e dá moral ao nosso time”, comentou o treinador.

Agora, o clube tricolor aguarda o vencedor do confronto entre Cruzeiro e Nacional, no Uruguai, para conhecer seu concorrente na próxima fase.

Compartilhe:

    Placar UOL no iPhone

    Hospedagem: UOL Host