UOL Esporte Libertadores
 
Maurício Stycer/UOL

Torcedores do Flamengo comemoram a classificação para as quartas da Libertadores

06/05/2010 - 07h01

Depois de sofrer, flamenguistas tripudiam sobre corintianos com "parabéns pra você"

Mauricio Stycer
Em São Paulo

TORCEDORES ILUSTRES APOIAM O FLA

  • Maurício Stycer/UOL

    Dado Dolabella torceu pelo Fla no Pacaembu

  • Maurício Stycer/UOL

    Patrícia Amorim posou para fotos com torcedores

  • Thiago Lacerda também esteve na torcida do Fla

De joelhos, rezando para o jogo acabar quando ainda faltavam 15 minutos, o torcedor do Flamengo pedia: “Acaba, pelo amor de Deus! Acaba!” De costas para o gramado, outro torcedor olhava para o céu, depois para o relógio, e repetia o grito: “Acaba!!! Acaba!!!” Só quando, finalmente, o uruguaio Roberto Silvera apitou o final da partida, às 23h45, os 2 mil torcedores do Flamengo espremidos no canto do Pacaembu relaxaram, se abraçaram e começaram a rir.

Numa alusão ao centenário do Corinthians, que se festeja este ano, os rubro-negros começaram a cantar um “parabéns pra você” dirigido aos torcedores alvinegros que deixavam, cabisbaixos, o estádio. Também cantaram um famoso grito de guerra da Gaviões da Fiel, adaptado de forma indecente, começando assim: “Aí tem um bando de corno” (em vez de “aqui tem um bando de louco”).

A torcida do Flamengo ainda teve forças e coragem, protegida pela Polícia Militar, para provocar os rivais, gritando: “Eliminado! Eliminado!”. E improvisar, com rima, um canto assim: “Libertadores, o Corinthians nunca viu!”, associado a um palavrão sonoro.

Dentro da área reservada ao Flamengo, no Pacaembu, foi montada uma área vip, que recebeu a presidente do clube, Patrícia Amorim, alguns diretores, celebridades, como os atores Thiago Lacerda, Dado Dolabella e Marcelo Serrado, o banqueiro Rodrigo Xavier, o ex-presidente do Flamengo Luiz Augusto Veloso, o economista Alexandre Povoa e o empresário Walter de Mattos Jr., dono do diário “Lance!”.

Lacerda abandonou o conforto da área vip e se juntou aos torcedores no meio da arquibancada quando a partida começou. Protegida por quatro seguranças, Patrícia Amorim também circulou entre os torcedores, ouviu seu nome ser gritado e fez fotos com vários flamenguistas.

Diferentemente de boa parte da torcida, que veio de avião, algumas centenas de integrantes de quatro organizadas (Raça Rubro-negra, Torcida Jovem, Flamanguaça e Urubuzada) vieram em duas dezenas de ônibus. Escoltados pela polícia, só começaram a entrar no Pacaembu no meio do primeiro tempo. A maior parte nem viu o primeiro gol do Corinthians, marcado aos 27 minutos.

FLAMENGO CLASSIFICADO

O Pacaembu estava quase todo alvinegro, mas a festa foi da minoria vermelha e preta. O Flamengo está nas quartas de final da Libertadores. O Corinthians, por sua vez, viveu um pesadelo. Jogando com o regulamento a seu favor, o time carioca perdeu por 2 a 1, mas se classificou.

Além das provocações aos corintianos, os flamenguistas tentavam animar o time cantando o hino do clube e, especialmente, um famoso canto de guerra: “Dá-lhe, dá-lhe, ô! Mengão do meu coração! Estou sempre contigo. Somos uma nação. Não importa onde esteja. Sempre estarei contigo. Com meu manto sagrado. Minha bandeira na mão. O Maraca é nosso. Vai começar a festa!”

Mas o desempenho pífio no primeiro tempo, encerrado com 2 a 0 para o Corinthians, desanimou a torcida. No intervalo, um consolo. Pelo rádio, chegou a notícia que o Vasco foi eliminado da Copa do Brasil – e a informação correu rapidamente pelo setor rubro-negro do Pacaembu.

Com Kleberson no lugar de Vinicius Pacheco, o Flamengo começou melhor o segundo tempo e logo marcou o gol que iria garantir a sua classificação para a próxima fase. A alegria logo deu lugar à apreensão e, em seguida, ao desespero diante da pressão do Corinthians e dos gols perdidos por Vagner Love e Adriano.

BOTAFOGUENSE NA TORCIDA DO FLAMENGO, POR UM DIA

Nunca pensei que um dia iria acompanhar uma partida de futebol no meio da torcida do Flamengo. Mas foi exatamente essa a missão que recebi

Mauricio Stycer, blogueiro do UOL

Ao meu lado, um torcedor que cronometrava o tempo de jogo, informava a cada 30 segundos o andamento do relógio. O desespero aumentou quando Love foi substituído – “Tá louco!”, gritaram vários torcedores, ao mesmo tempo.

Quando o árbitro uruguaio marcou uma falta próxima à área do Flamengo já nos descontos, vários torcedores se ajoelharam e começaram a rezar e pedir o final da partida. “Só essa, pelo amor de Deus, Bruno”, pediu um. “Acaba!!!!”, gritou outro, desesperado.

Ouviu-se, então, o apito final. E começou a festa. “Parabéns pra você”, Corinthians!

Compartilhe:

    Placar UOL no iPhone

    Hospedagem: UOL Host