Para alegria do papa: San Lorenzo vai pela 1ª vez à final da Libertadores

Do UOL, em São Paulo

Em Buenos Aires, celebração de milhares. Em La Paz, centenas que viajaram. No Vaticano, de um homem só. Todos, porém, comemorando o mesmo feito: o San Lorenzo, pela primeira vez na história, está na final da Copa Libertadores. O Papa Francisco pode afirmar: logo em seu 2° ano de papado, verá seu time na final da principal competição da América do Sul. O feito foi conquistado na Bolívia, nesta quarta-feira: derrota de 1 a 0 para o Bolívar, placar mais do que suficiente para a conquista da vaga.

Como na partida de ida os argentinos haviam goleado por 5 a 0, só restava mesmo a espera pelo apito final desta noite. Ele chegou e, agora, resta esperar o Nacional, pequeno time paraguaio que também faz história: a final da Libertadores será inédita para ambos. De um lado, um time com pequena torcida, apoiado pelo resto do Paraguai; do outro, um time com torcida gigante, querendo apagar a piada que diz que CASLA, a sua sigla, significa Clube Atlético Sem Libertadores da América.

Fases do jogo: Tentando o milagre, o Bolívar tentou pressionar o San Lorenzo no começo do jogo, chegando a acertar a trave do goleiro Torrico. Mas nem a altitude ajudou: depois do lance perigoso, só chutes de fora da área foram criados na primeira etapa pelos bolivianos. O San Lorenzo, enquanto isso, andava em campo. Não havia por que se esforçar quando, com cinco gols de vantagem, o ar rarefeito era um aliado do rival.

Na segunda etapa, o Bolívar perdeu chance com Chávez, na marca do pênalti, livre: ele isolou. Minutos depois, foi a vez de Eguino, da marca do pênalti, errar cabeçada, também sozinho. A esperança diminuiu, a pressão também. Restou jogar pela honra, e uma pequena alegria foi dada aos bolivianos que lotaram o estádio Hernando Siles no final da partida: nos acréscimos, Yecerotte fez 1 a 0. Longe do necessário.

O melhor: Torrico - Se na partida de ida o San Lorenzo teve como força o ataque, nesta quarta foi a vez de Torrico, o goleiro dos argentinos, se destacar. Quando foi preciso, evitou gols do Bolívar com defesas seguras.

O pior: Chávez - Perdeu a melhor chance do Bolívar além do gol. Se o time precisava fazer cinco, o primeiro passo era abrir o placar cedo. Esteve nos seus pés a chance.

Chave do jogo: O San Lorenzo não precisou forçar o jogo, e ficou descansado até o final, apesar da altitude de La Paz. O Bolívar correu para tentar o impossível. Só que realmente era impossível - ainda mais com tantos gols perdidos.

Toque dos técnicos: Xabier Azkargorta, o técnico do Bolívar, lançou seu time ao ataque, brigou com os árbitros e gritou muito na beira do campo. Era o que dava para fazer, além de rezar para que seu ataque fizesse milagre. Não fez.

Para lembrar:

Anteriormente, o San Lorenzo já havia disputado três semifinais de Libertadores, perdendo todas: em 1960, caiu para o Peñarol-URU; em 1973, para o Independiente-ARG (grupo de três equipes, no qual foi vice na frente do Millonarios-COL); e em 1988 foi eliminado pelo Newell's Old Boys-ARG.

A torcida do Bolívar chegou a colocar fogo na arquibancada do estádio: uma fogueira foi acesa com papel higiênico no final da segunda etapa. Depois do gol da vitória, até "olé" cantou.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos