Grupo aponta cansaço e põe em xeque rejeição do Grêmio a poupar jogadores

Marinho Saldanha

Do UOL, em Porto Alegre

  • Lucas Uebel/Grêmio

    Roger vê grupo do Grêmio reclamando de cansaço e não se arrepende de usar titulares

    Roger vê grupo do Grêmio reclamando de cansaço e não se arrepende de usar titulares

A estratégia do técnico Roger Machado de utilizar força máxima em todos os jogos do Grêmio neste início de temporada está em xeque. O técnico rejeita preservar atletas, mas nesta quarta-feira (09) viu seu elenco reclamar de cansaço no empate por 1 a 1 contra o San Lorenzo, pela fase de grupos da Libertadores. A queda de rendimento põe em questionamento a estratégia de ter sempre todos em campo. 

"Não me arrependo de nada. Ponderando as variáveis dos jogos, não me arrependo", disse o técnico quando questionado se faria diferente principalmente no clássico Gre-Nal. 

O Grêmio teve três jogos decisivos. Ganhou apenas um, contra LDU, por 4 a 0. Optou por usar o time titular contra o Inter no Gauchão, mesmo sendo uma partida da primeira fase do torneio que não significava muito na classificação. E também pela Primeira Liga, onde até uma derrota - dependendo de resultados paralelos - poderia classificar. Além do desgaste, perdeu Miller Bolaños, com duas fraturas no rosto, e Wallace Oliveira, com desconforto muscular. 

Nesta quarta (09), a trinca decisiva foi fechada com o duelo contra o San Lorenzo. E os efeitos do desgaste ficaram evidentes. Após 45 minutos intensos, os jogadores não conseguiram acompanhar o ritmo no segundo tempo. Sem forças, foram pressionados pelos visitantes argentinos e por pouco não levaram a virada. O 1 a 1 não foi bom para classificação, mas acabou sendo o melhor pelo que se apresentava em campo. 

"Bateu o desgaste. Eu cansei muito no segundo tempo, por exemplo. E ainda tomei a maior pancada da minha vida no tornozelo, que está muito inchado. Sofremos contra-ataques", explicou o zagueiro Fred. 

E não foi apenas ele a reclamar. O tom da maioria dos atletas foi este: o desgaste pesou tanto que virou público. Maicon, Giuliano, Douglas, todos falaram que, principalmente no fim do jogo, a 'perna estava pesada'. 

"A sequência é difícil. Tivemos jogo contra LDU em ritmo alucinante, depois o Gre-Nal que é sempre de muita exigência física. E um tempo curto de recuperação. Choveu bastante e é normal que a gente sinta oscilar o físico durante o jogo. Imprimimos um ritmo forte, é algo normal. Não vamos controlar o jogo todo", reclamou Giuliano. 

"Sentimos um pouco as pernas no segundo tempo. Tentamos pressionar, uma pena que o gol não saiu. Tivemos uma sequência difícil e o campo estava pesado", acrescentou Pedro Geromel. 

Para o próximo jogo, contra o Cruzeiro-RS pelo Gauchão, os titulares serão preservados. Fred, reclamando dores, será reavaliado. Até porque na próxima semana já se apresenta viagem para Argentina e um duelo com o San Lorenzo que pode decidir a vida de ambos na Libertadores. 

"Não vi o time cansar. O jogo foi intenso para os dois lados. Não quero atribuir o empate ao cansaço dos três jogos seguidos em alto nível de intensidade. Foi um jogo corrido. Repito, não vi o time cansar. Ficamos abertos em função das trocas para tentar o segundo gol", sentenciou Roger. 

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos