Corinthians reencontra paz com blindagem, palestras e estratégia para Lucca

Dassler Marques

Do UOL, em São Paulo

O Corinthians não podia correr riscos, e assim fez para recuperar a liderança do Grupo 8 da Copa Libertadores. A preparação para vencer o Cerro Porteño-PAR por 2 a 0 na noite da última quarta-feira (16) começou há exatamente uma semana, ainda nos vestiários do Estádio Defensores Del Chaco. Em Assunção, depois de perder por 3 a 2 com nove jogadores em campo, Tite tomou a primeira atitude. 

Solicitou aos responsáveis pelo atendimento à imprensa que os jogadores deveriam não falar. O cenário inspirava preocupação: primeiro, pelo risco de exagerar nas críticas à arbitragem que mostrou cartões vermelhos a Rodriguinho e André. Segundo, pela possibilidade de comentários dos atletas diante dos microfones sobre os próprios companheiros expulsos. 

"Eu segurei mesmo", brincou Tite depois da partida de quarta-feira sobre as entrevistas vetadas. O ambiente, que caminhava para tensão, foi controlado. 

COMO SE JOGA A LIBERTADORES

No segundo momento, a comissão técnica tratou de conscientizar os atletas do que exige a Copa Libertadores em termos de conduta com arbitragem. Havia preocupação porque o árbitro do jogo, Patricio Lousteau, há um ano expulsou Paolo Guerrero e Fábio Santos em Corinthians x Once Caldas. "Paolo foi provocado em outro lance, depois deixa o braço, o adversário simula e ele vai fora. Não mostrei para eles, mas vi os vídeos", recordou do ocorrido em 2015. 

Para Tite, a evolução da equipe passa por minimizar a influência dos fatores externos. Esse foi o foco de suas palestras para o reencontro com o Cerro. 

"Há uma opinião por parte de uruguaios, argentinos, paraguaios que atleta brasileiro não tem força mental de aguentar provocações", lembrou após a vitória de quarta. "A equipe vai aprendendo, apressando também nesse aspecto de entender que se o goleiro retardar o tiro de meta, o árbitro tem que cuidar. É ficar focados no jogo, não deixa de prestar atenção na atuação", disse ainda. 

OS HOMENS DA VELOCIDADE

Na leitura de Tite e de seus auxiliares, a capacidade de absorção das informações, seja extracampo ou de jogo, é uma virtude do elenco atual. Cada vez mais, os jogadores são abordados não apenas reunidos, mas individualmente na interação com a comissão técnica. Assim também se definem as estratégias como a que foi colocada em prática para quebrar a marcação do Cerro. 

Baseado em triangulações entre um dos lados e o centro do campo, o jogo ofensivo do Corinthians foi planejado para o ponta esquerda Lucca e o lateral direito Fagner, segundo explicou Tite, completarem muitas vezes as jogadas. A orientação é que ambos tenham atenção quando a jogada se inicia do lado oposto e se mantenham colados à linha lateral. A atenção a esse posicionamento ajuda a abrir espaços na defesa rival. 

Então, se a construção da jogada tem início na direita, Lucca sabe que será grande a chance de receber uma bola rápida com maior liberdade do lado esquerdo. Da mesma forma o oposto, com Fagner. As jogadas com ambos, os jogadores mais velozes do Corinthians atual, funcionaram diversas vezes na vitória que restabeleceu a tranquilidade. 

Com 9 pontos, o Corinthians recuperou a ponta do grupo e pode até se classificar no próximo jogo, marcado para 6 de abril contra o Santa Fe. O time colombiano, que irá atuar em casa, tem sete, a exemplo do Cerro Porteño. 

Reprodução
Jogada do primeiro gol tem início em triangulação pela direita...

Reprodução
...Lucca esperava do lado oposto e afunilou no momento ideal para conclusão

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos