SP tem Maicon expulso, sofre dois gols no fim e fica em situação difícil

Guilherme Palenzuela

Do UOL, em São Paulo

Grande investimento do São Paulo para a temporada, o zagueiro Maicon foi de grande esperança a vilão na semifinal da Libertadores. No primeiro duelo contra o Atlético Nacional (COL), nesta quarta-feira (6), o capitão da equipe foi expulso e viu sua equipe sofrer dois gol nos minutos finais da partida: derrota de 2 a 0 dentro de casa.

O destaque da partida foi o colombiano Miguel Borja. O atacante esteve no lance que resultou na expulsão de Maicon e ainda foi responsável pelos dois gols da vitória do Atlético Nacional.

Com o resultado, o São Paulo precisará vencer na Colômbia por três ou mais gols de diferença para avançar. Vitória por 3 a 1, 4 a 2, 5 a 3 em Medellín também dá a vaga ao clube tricolor por causa dos gols como visitante. Já um triunfo por 2 a 0 leva a decisão para os pênaltis.

O próximo duelo está marcado para acontecer na próxima quarta-feira (13), em Medellín, na Colômbia.

A esperança que virou desespero

Miguel Schincariol/AFP Photo
Maicon deixa o campo após expulsão no segundo tempo

Antes da expulsão, Maicon fazia uma partida segura, com poucos problemas. Sem a criação de Ganso no meio-campo, o zagueiro chegou a participar da construção de algumas jogadas, fazendo uso de sua precisão nos passes longos. Na marcação, segurança e poucos espaços para os colombianos.

Aos 28 minutos do segundo tempo, no entanto, um erro infantil custou caro. Ao se desentender com Borja, Maicon deu um tapa na cabeça do adversário e o derrubou no chão. O lance aconteceu na frente do árbitro Mauro Vigliano, que não teve dúvida e mostrou o cartão vermelho para o zagueiro.

São Paulo paga pelo erro de Maicon

Miguel Schincariol/AFP Photo

Com um a menos graças à expulsão de Maicon, o São Paulo foi obrigado a se fechar e tentar evitar que o Atlético Nacional abrisse o placar. Mas a estratégia durou pouco. Aos 36 minutos do segundo tempo, o time colombiano envolveu a defesa são-paulina e Borja saiu na cara do gol para balançar as redes de Denis.

E o mesmo Borja deixou a situação do São Paulo muito complicada. Aos 43 minutos, Marlos Moreno recebeu na área e tocou de calcanhar para o ataque. Livre, ele chutou com tranquilidade para superar Denis.

Substitutos decepcionam

Nelson Almeida/AFP Photo

Escalados para substituir Ganso e Hudson, respectivamente, Ytalo e Wesley foram os elos mais fracos do São Paulo no primeiro tempo. Quando a equipe ficava com a bola, a dupla mal participava do jogo. Na única chance que teve, Wesley, livre, finalizou muito por cima do gol de Armani.

São Paulo começa pressionando o Atlético Nacional

Nacho Doce/Reuters

Tentando fazer uso do fator casa, o São Paulo aplicou uma blitz para cima do Atlético Nacional nos primeiros 15 minutos. Durante esse tempo, a equipe de Edgardo Bauza teve três boas chances de abrir o placar, mas não conseguiu.

Na primeira, aos 8 minutos, Maicon cobrou falta de frente para o gol, mas Armani defendeu sem dificuldades. Quatro minutos depois, a grande chance: Mena cruzou, a bola ficou com Wesley, livre. Ele dominou e chutou, mas mandou muito por cima do gol. Por último, aos 15, Michel Bastos cobrou escanteio, a zaga afastou e ela ficou com Thiago Mendes, que arriscou de longe e Armani fez boa defesa.

A melhor chance, no entanto, foi sair apenas aos 43 minutos, quando o Atlético Nacional já havia equilibrado as ações e os dois times pouco criavam. Foi nesse momento que a equipe colombiana saiu jogando errado, João Schmidt cruzou para a área, Calleri escorou de cabeça e Michel Bastos soltou a bomba para grande defesa de Armani.

Atlético melhora após fraco início

Depois de 15 minutos iniciais preocupantes, em que chegou a ser bastante pressionado pelo São Paulo, o Atlético Nacional foi melhorando gradativamente durante a partida. Ao final do primeiro tempo, o equilíbrio já era visível na partida.

Mas foi no início do segundo tempo que o jogo começou a se desenhar perigoso para o São Paulo. Em um espaço de três minutos, o time colombiano sufocou o time do Morumbi e quase abriu o placar. Ao 12, Marlos Moreno rolou para Borja, que chutou e a bola desviou em Maicon e foi para fora. Na cobrança do escanteio, Borja subiu livre e acertou o travessão de Denis. Um minuto mais tarde, Borja, mais uma vez, apareceu dentro da área e exigiu boa defesa do goleiro são-paulino.

Confusão depois do jogo

 

Ao fim da partida, torcedores do São Paulo entraram em confronto com policiais militares. A briga ocorreu perto do portão 5 do Morumbi e começou durante a saída dos espectadores do estádio, antes mesmo do apito final.

Para dispersar os torcedores são-paulinos, a polícia usou bombas de efeito moral. O grupo, por sua vez, arremessou garrafas em direção à PM. Carros estacionados próximos à Praça Roberto Gomes Pedrosa também foram danificados.

Opinião dos blogueiros

Menon: "Maicon foi muito juvenil. Vestiu a carapuça do xerife e preferiu intimidar. Deu chance para uma expulsão injusta. A real é que o sonho da Libertadores acabou. E o que sobrou?".

Juca: "(Expulsão foi) Um exagero, mas, em Libertadores, os assopradores de apito, que falam 'Brassil', não perdoam".

Rodrigo Mattos: "Maicon é contratado por Libertadores, mas a torna quase impossível"

Perrone: "O tapa dado na cabeça de Borja e sua merecida expulsão transformaram Maicon em vilão tricolor".

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos