Péssimo fora de casa, São Paulo precisará de feito inédito para ir à final

Diego Salgado e Guilherme Palenzuela

Do UOL, em São Paulo

A derrota do São Paulo por 2 a 0 para o Atlético Nacional no Morumbi faz com que a equipe comandada por Edgardo Bauza precise consumar um feito inédito na história da Copa Libertadores para chegar à final em 2016: reverter, fora de casa, uma derrota por dois gols de diferença em uma semifinal. Não bastasse o objetivo improvável, o retrospecto do time como visitante na temporada é muito ruim, com apenas 25% de aproveitamento (ouça também a opinião de Menon e Mauro Beting sobre a decepcionante atuação do São Paulo no podcast Tabelinha; clique aqui).

As semifinais do torneio passaram a ser disputadas em jogos de ida e volta em 1988. De lá para cá, em um total de 56 confrontos, em 41 deles o time que fez a primeira partida em casa começou o duelo vencendo. Em 11 deles houve empate e em apenas quatro ocasiões o mandante saiu perdendo. A derrota do São Paulo nesta quarta-feira configura a primeira vez na história da Libertadores em que o mandante começa um confronto de semifinal perdendo por dois gols de diferença.

Houve uma única vez em que um time saiu perdendo uma semifinal dentro de casa, mas conseguiu reverter fora e chegar à final. Aconteceu com o Olímpia, do Paraguai, contra o Internacional em 1990, mas por um gol de diferença. Com dois gols, como agora, jamais.

O feito que o São Paulo tem de conseguir se mostra ainda mais improvável levando em consideração o histórico de todo o mata-mata da Libertadores. Apenas uma vez um time reverteu no jogo de volta uma derrota por dois gols de diferença sofrida no confronto inicial: nas oitavas de final de 2008, o América-MEX perdeu do Flamengo por 4 a 2 em casa, mas eliminou os cariocas em pleno Maracanã ao ganhar por 3 a 0 no segundo duelo.

Ainda joga contra o São Paulo o retrospecto negativo de Edgardo Bauza como visitante em 2016. O time do Morumbi marcou dois gols fora de casa em apenas uma ocasião, no empate por 2 a 2 contra o Flamengo no dia 19 de junho. 

Em 20 jogos como visitante em 2016, o São Paulo tem aproveitamento de 25%, fruto de nove derrotas, nove empates e apenas duas vitórias - contra Botafogo e Cruzeiro, ambas por 1 a 0. Na Libertadores, nenhuma vitória como visitante e apenas 22% de aproveitamento, com quatro empates e duas derrotas.

Para chegar à decisão, o São Paulo terá que superar todo este retrospecto negativo. Um triunfo por 2 a 0 leva a decisão para os pênaltis. Vitórias por dois ou mais gols de diferença com outro placar garante a vaga na decisão.

A volta acontece na próxima quarta-feira (13), na Colômbia. O time não contará com o zagueiro Maicon, expulso no primeiro duelo contra os colombianos. Bauza ainda acredita improvável os retornos de Paulo Henrique Ganso e Kelvin, que se recuperam de lesão.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos