Ganso e Kelvin não se recuperam a tempo e nem viajam com SP para Colômbia

Guilherme Palenzuela

Do UOL, em São Paulo

  • Rubens Cavallari/Folhapress

    Ganso sente a coxa durante a partida contra o Fluminense; pode ter sido último jogo do meia

    Ganso sente a coxa durante a partida contra o Fluminense; pode ter sido último jogo do meia

Se havia alguma esperança de que Ganso se recuperasse a tempo da decisão da semi da Libertadores, ela acabou. Neste domingo, ele e o atacante Kelvin, que se recuperam de lesões sérias, sequer viajaram à Colômbia com o restante do time. Vetados pelo departamento médico, eles terão de ver do Brasil a tentativa dos colegas de virar a eliminatória contra o Nacional de Medellin, que venceu a ida no Morumbi por 2 a 0.

O veto aos dois não é exatamente uma novidade. Na semana passada, o técnico Patón Bauza já havia dito que não esperava ter Ganso ou Kelvin em campo. O atacante tem um estiramento no músculo posterior da coxa esquerda e já era carta fora do baralho. O meia, com uma lesão parecida na coxa direita, ainda tinha uma possibilidade remota que não se concretizou.

O que piora a situação de Ganso é que o meia está prestes a ser vendido. O jogador tem proposta do Sevilla e já comunicou o presidente de que pretende ser negociado. A diretoria entende, mas quer mais que os 8 milhões de euros (R$ 29 milhões) que os espanhóis oferecem e não aceita conversar antes do fim da participação tricolor na Libertadores.

Se o São Paulo for eliminado pelos colombianos na próxima quarta, a tendência é que a venda de Ganso seja resolvida nos dias seguintes. Dessa forma, o meia pode não ter a chance de fazer um jogo de despedida pelo clube que defende desde 2012. Sua última partida foi contra o Fluminense, pelo Brasileirão, quando ele sofreu a lesão muscular que o tirou da semifinal.
 

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos