Atlético-PR sofre pressão do Millonarios, mas Weverton brilha nos pênaltis

Do UOL, em São Paulo

  • AFP PHOTO / Luis Acosta

Os 2640m de altitude de Bogotá, na Colômbia, quase cobraram um alto preço ao Atlético-PR. Diante do Millonarios, uma equipe que precisava buscar a vitória para avançar na Libertadores, o time brasileiro não encontrou forças para conter o ímpeto adversário e evitar a derrota por 1 a 0. O resultado, no entanto, levou a partida para os pênaltis. E lá brilhou a estrela de Weverton, que pegou uma cobrança e viu outra explodir no travessão.

O gol da partida saiu no segundo tempo. Duque, aos 10 minutos, fez o solitário tento, que levou o jogo para os pênaltis – a primeira partida havia terminado em vitória por 1 a 0 do Atlético-PR.

Na próxima fase, a última antes da fase de grupos, o Atlético-PR terá pela frente o vencedor de Deportivo Capiatá e Universitario.

Weverton brilha em pressão do Millonarios

Precisando do gol, o Millonarios partiu para cima do Atlético-PR na metade final do primeiro tempo. Em duas oportunidades, o goleiro Weverton precisou aparecer para evitar o tento colombiano. Aos 36 minutos, Quiñones cabeceou e o camisa 12 espalmou de mão trocada. Na sequência, mais uma vez Quiñones chutou cruzado e o goleiro mandou para escanteio.

"Sofremos sem necessidade no final, começamos bem, com a bola no pé, mas deixamos eles gostarem do jogo, é perigoso", afirmou Weverton, ao "Sportv", no intervalo da partida.

Pressão resulta em golaço

O início do segundo tempo seguiu com a mesma batida: forte pressão do Millonarios, que não conseguia chegar ao gol. Com 10 minutos, a superioridade refletia na posse de bola, com os colombianos com 58%, ante 42% da equipe brasileira.

De tanto martelar, veio o gol. Aos 13 minutos, Jhon Duque ficou com a bola na direita, deixou Sidcley no chão e bateu colocado, no canto direito de Weverton. Um golaço.

Millonarios pressiona, mas não consegue segundo gol

O Atlético-PR desistiu de atacar no segundo tempo. Sem forças para reagir, o time de Paulo Autuori se fechou e permitiu que os colombianos comandassem as ações. Durante os 45 minutos finais, o Millonarios chegou a ter dois gols bem anulados, mas não conseguiu furar a defesa paranaense e fazer o gol que o levaria para a próxima fase da Libertadores.

Weverton se reencontra com os pênaltis

Assim como aconteceu na final dos Jogos Olímpicos, Weverton se viu diante de uma decisão de pênaltis. E, mais uma vez, fez sua parte para ajudar na classificação. O camisa 12 defendeu a cobrança de Franco e ainda viu Maximiliano Núñez acertar o travessão.

Pelo lado do Atlético-PR, Jonathan, Grafite, Carlos Alberto e Felipe Gedoz converteram suas cobranças.

Grafite leva a pior

Reprodução

Sofrendo com as poucas oportunidades criadas pelo Atlético-PR na partida, Grafite ainda levou a pior em uma disputa com Palacios. Os dois se chocaram e o brasileiro precisou receber atendimento médico.

Para conseguir voltar para o duelo, Grafite precisou de um curativo na cabeça e usar uma touca de natação.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos