Presidente admite erro da Chape, mas promete lutar para reverter punição

Daniel Fasolin

Colaboração para o UOL, em Chapecó (SC)

  • AFP PHOTO / Eitan ABRAMOVICH

    Escalação irregular de Luiz Otávio (foto) rendeu punição à Chapecoense

    Escalação irregular de Luiz Otávio (foto) rendeu punição à Chapecoense

O presidente da Chapecoense, Plínio David de Nês, admitiu nesta terça-feira (23), após a vitória por 2 a 1 sobre o Zulia na Libertadores, que houve erro do clube catarinense no caso que culminou com a perda de três pontos no tribunal da Conmebol por causa da escalação irregular do zagueiro Luiz Otávio no jogo contra o Lanús. Porém, disse que a confederação sul-americana também se equivocou, e prometeu lutar para reverter a decisão que tirou o time das oitavas de final do torneio.

Segundo Plínio, a Conmebol mandou no dia 10 de maio, uma semana antes do jogo contra o Lanús, um e-mail avisando que Luiz Otávio havia sido suspenso por três partidas. Porém, o destinatário não foi nenhum dos canais normalmente usados para fazer a comunicação sobre o caso, e a pessoa que teria recebido o e-mail não repassou a mensagem aos responsáveis no clube.

"Vamos à cronologia dos fatos. Recebemos um e-mail da Conmebol sem assinatura em Medellín [em 10 de maio, dia da final da Recopa contra o Atlético Nacional]. O Rui Costa [diretor de futebol] solicitou ao departamento jurídico a avaliação do documento e constatou-se uma irregularidade, que era o destinatário incorreto do e-mail. Queríamos entender o e-mail, e às 17h a Conmebol nos informou que Rossi e Luiz Otávio não poderiam jogar na Recopa", disse o presidente.

"Após a derrota, me foi dito que os meninos cumpriram a pena e poderiam jogar tranquilos na sequência da Libertadores. Fizemos nossas partidas, fomos à Argentina [para enfrentar o Lanús no dia 17] e o delegado da Conmebol relacionou o Luiz Otávio na súmula sem nenhuma objeção", continuou.

"Recebi a informação [de que Luiz Otávio estava suspenso por três jogos] no meu telefone, dois minutos antes [de o jogo começar], e tenho como provar. Assumi a responsabilidade pela escalação do Luiz Otávio. Estava consciente de que havíamos agido certo. Telefonei à Conmebol e pedi a razão de tudo isso. Na súmula da arbitragem, constatou-se que um diretor do Lanús entrou no vestiário dos árbitros para falar sobre o caso. Qual a razão disso?".

Na avaliação de Plínio, houve um "conjunto de erros" de comunicação, tanto da parte da Conmebol quanto da Chapecoense. Por isso, ele disse que o clube tentará reverter a punição com um recurso ao tribunal da Conmebol - que ainda não tem data para ser julgado.

"Começamos a vasculhar nossos e-mails, e um conjunto de erros foi constatado. Da Conmebol até nossa secretaria, não recebemos os e-mails nas nossas bases usuais. Quando houve a suspensão, sequer copiaram o nosso advogado. Tomei uma decisão em prol do bom futebol e da limpeza do futebol. Iremos até a última instância em busca dos nossos direitos. Temos 10 pontos conquistados no campo, e eu assumo a responsabilidade por isso", afirmou Plínio.

"Esse erro aconteceu também dentro da Chapecoense. Assumo que recebemos [o e-mail], e não preciso dizer a quem foi. Mas não fomos comunicados da punição como devíamos, e também não fomos avisados do julgamento. Nós teremos que ter o mérito de mostrar o que o ocorreu, e o julgamento será da Conmebol", concluiu.

Com a punição de três pontos, a Chapecoense terminou na terceira posição do Grupo 7 da Libertadores e ficou com a vaga na Copa Sul-Americana. Caso o clube consiga reverter a decisão da Conmebol no recurso, vai a 10 pontos e fica em segundo na chave, garantindo lugar nas oitavas de final da principal competição do continente.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos