Vale o ano. Como o Atlético chegou pressionado para decisão na Libertadores

Victor Martins

Do UOL, em Belo Horizonte

  • Thomás Santos/AGIF

    Atlético-MG precisa de dois gols de frente para avançar na Libertadores, sem precisar da disputa de pênaltis

    Atlético-MG precisa de dois gols de frente para avançar na Libertadores, sem precisar da disputa de pênaltis

Muito se esperava do Atlético-MG em 2017. Mas pouco o time conseguiu entregar até o momento. E nesta quarta-feira, às 21h45, no Mineirão, contra o Jorge Wilstermann, o clube mineiro tenta seguir em busca do único grande título possível nesta temporada. Eliminado na Copa do Brasil e 24 pontos atrás do líder do Campeonato Brasileiro, o Galo vê a Copa Libertadores como o grande objetivo do ano, mas também como a salvação para uma temporada que está longe da expectativa que existia.

Quando o time profissional iniciou os trabalhos, em 7 de janeiro, na Cidade do Galo, a esperança era de um ano de conquistas. Algo que foi reforçado com a chegada do volante Elias, mais um grande nome para o elenco atleticano, recheado de estrelas. Mas em campo, com exceção do período em que foi campeão mineiro, o Atlético jamais conseguiu jogar um futebol convincente.

Resultado disso é a distância para o Corinthians, no Brasileirão, a eliminação nas quartas de final da Copa do Brasil, tratada pelo presidente do clube, Daniel Nepomuceno, como precoce, e a pressão pela vitória contra o Jorge Wilstermann. Mesmo com um orçamento bem inferior ao do Atlético, a equipe boliviana chega em vantagem para o duelo no Mineirão.

O Galo precisa vencer por dois gols de diferença para avançar às quartas de final e enfrentar o River Plate, da Argentina, que já está classificado. Vitória por 1 a 0 leva a decisão para a disputa de pênaltis. Qualquer outro resultado classifica o time boliviano, que entrou no confronto como zebra.

Assim, em agosto, o Atlético joga para vencer e não ver o ano terminar de forma melancólica, brigando apenas por vagas em copas internacionais via o Brasileirão ou até mesmo pior, lutando contra o rebaixamento. Alguns fatores fizeram o time não render o que era esperado e, pela sequência na Libertadores, precisam ser superados nesta noite.

Queda de rendimento dos principais jogadores

Wallace Teixeira/Futura Press/Estadão Conteúdo
Robinho foi titular no primeiro jogo, mas deve ficar no banco nesta quarta

Robinho é o melhor exemplo de como os grandes atletas do Galo estão abaixo do que podem render na temporada. O camisa 7 foi o artilheiro do Brasil no ano passado, mas nesta temporada acumula atuações ruins, ao ponto de ser reserva de uma equipe alternativa, como aconteceu em Porto Alegre, diante do Grêmio. Mas não é apenas Robinho que tem rendimento abaixo do esperado.

Outros grandes jogadores do elenco também oscilam em 2017. Os volantes Rafael Carioca e Elias, os laterais Fábio Santos e Marcos Rocha, o meia Cazares e até o centroavante Fred tiveram momentos de baixa, prejudicando a busca por uma sequência de boas atuações, que ainda não aconteceu neste ano.

Reforços ainda não deram o retorno aguardado

Entre jogadores contratados e retornos de empréstimos, o elenco atleticano ganhou 12 novos atletas. Mas apenas Elias se firmou como titular da equipe. Os demais até foram titulares em determinados momentos da temporada ou em jogos específicos. Até mesmo Elias, que tem lugar garantido na equipe, ainda não conseguiu manter uma longa sequência de boas atuações. O camisa 8 viveu seu melhor momento entre o final de abril e o começo de maio, justamente a melhor fase do Atlético na temporada, no período em que foi campeão mineiro.

Chegaram 12, mas ainda faltou gente

Mais de um time chegou à Cidade do Galo para reforçar o time em 2017, entre contratações e jogadores que retornaram de empréstimo. Mesmo assim o elenco seguiu com algumas carências. A falta de um zagueiro e um atacante de velocidade foram e são as duas maiores queixas da torcida. Na defesa, após tanto sofrer, o Atlético ainda encontrou Matheus Mancini, contratado para o time sub-23, e Bremer, promovido da base, entraram bem em algumas oportunidades, mas não são titulares.

A necessidade de buscar um velocista para o ataque foi diagnosticada ainda na época de Roger Machado. Mesmo, nenhum jogador foi contratado para suprir essa carência, que foi admitida pela presidente Daniel Nepomuceno.

Trocas constantes de treinadores

Bruno Cantini/Clube Atlético Mineiro
No quinto jogo pelo Atlético-MG, Rogério Micale já vai para a segunda decisão

Entre agosto de 2011 e dezembro de 2015, o Atlético teve apenas três treinadores. Destaque para Cuca e Levir Culpi, que ficaram mais de um ano no comando da equipe. A exceção foi Paulo Autuori, que ficou cerca de quatro meses na Cidade do Galo. Mas desde a saída de Levir, ao término da temporada 2015, o clube está no quarto técnico diferente, num período aproximado de 20 meses. Diego Aguirre, Marcelo Oliveira e Roger Machado comandaram o Atlético antes de Rogério Micale, que nesta noite faz apenas o quinto jogo como treinador do Galo. E logo uma decisão.

Micale entrou no lugar de Roger Machado, que até então vinha atingindo os objetivos traçados pela diretoria. Foi campeão estadual, primeiro colocado geral na fase de grupos da Copa Libertadores e estava nas quartas de final da Copa do Brasil, em vantagem no duelo com o Botafogo. O ponto fora da curva era o rendimento ruim em casa no Brasileirão, que por enquanto não mudou desde a troca do treinador.

FICHA TÉCNICA
ATLÉTICO-MG X JORGE WILSTERMANN

Data: 9 de agosto de 2017, quarta-feira
Horário: 21h45 (de Brasília)
Motivo: Oitavas de final da Copa Libertadores
Local: Mineirão, em Belo Horizonte (MG)
Árbitro: Jose Argote (VEN)
Assistentes: Carlos Lopez (VEN) e Luis Murillo (VEN)

ATLÉTICO-MG: Victor, Marcos Rocha, Leonardo Silva, Gabriel e Fábio Santos; Rafael Carioca, Elias, Adilson e Cazares; Luan (Robinho) e Fred.
Técnico: Rogério Micale.

JORGE WILSTERMANN: Raúl Olivares, Omar Morales, Alex Silva, Edward Zenteno e Juan Pablo Aponte; Marcelo Bergese, Fernando Saucedo, Cristhian Machado, Serginho e Rudy Cardozo; Gilbert Álvarez.
Técnico: Roberto Mosquera.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos