Eliminações e más arbitragens fazem do Boca "pedra no sapato" do Palmeiras

Leandro Miranda

Do UOL, em São Paulo

  • AFP

    Riquelme tenta escapar da marcação de Júnior na final da Libertadores de 2000

    Riquelme tenta escapar da marcação de Júnior na final da Libertadores de 2000

Ao entrar no gramado de La Bombonera para enfrentar o Boca Juniors nesta quarta-feira (25), a partir das 21h45, pela Libertadores, o Palmeiras estará de novo frente a frente com um adversário que ainda desperta rancor no torcedor por acontecimentos de quase duas décadas atrás. Desde as doídas eliminações na competição sul-americana em 2000 e 2001, marcadas por erros de arbitragem, o time argentino é "pedra no sapato" no imaginário alviverde.

As quedas para o Boca Juniors na virada do século ainda não foram "engolidas" pelos palmeirenses. Na final de 2000, após empate por 2 a 2 na ida em La Bombonera, os times decidiram o título no Morumbi. O Palmeiras reclamou muito de dois pênaltis não marcados pelo árbitro Epifanio González – um em Asprilla, o outro em Pena –, enquanto os argentinos tiveram um gol legítimo de Palermo anulado por impedimento. Nos pênaltis, melhor para o Boca: 4 a 2.

No ano seguinte, 2001, os times se reencontraram, desta vez na semifinal, em mais um duelo lembrado pela arbitragem desastrosa. No jogo de ida, na Argentina, o árbitro Ubaldo Aquino apitou um pênalti inexistente a favor do Boca e deixou de marcar um claro sobre Fernando, que ainda levou amarelo por simulação no lance. Houve empates por 2 a 2 nas duas partidas, e o Boca, novamente, foi melhor nos pênaltis, para depois bater o Cruz Azul na final e ser campeão.

Agora, o Palmeiras volta a La Bombonera em um momento crucial da temporada. Após passar por momentos de turbulência com a perda do título paulista para o Corinthians, a equipe de Roger Machado joga para manter a liderança do grupo 8 da Libertadores – tem sete pontos, contra cinco dos argentinos. Um empate é considerado bom resultado para manter a ponta e amenizar as cobranças que têm aumentado na torcida.

O clima no elenco, aliás, é de irritação com o que os jogadores entendem ser uma pressão excessiva por parte dos palmeirenses. O capitão Dudu nem comemorou seu gol contra o Internacional no final de semana, atletas bloquearam comentários em suas redes sociais e alguns torcedores fizeram novas cobranças no desembarque do time na Argentina. Em resposta, houve mobilização alviverde nas redes sociais para apoiar Dudu.

O técnico Roger Machado também já admitiu que a pressão externa tem entrado no vestiário e gerado ansiedade em vários momentos para os atletas. Para sair de Buenos Aires com um resultado positivo, o trabalho tem sido no sentido de tranquilizar os jogadores e fazer com que eles estejam preparados pra sofrer a pressão do Boca em sua casa.

A expectativa é de 2 mil torcedores do Palmeiras em La Bombonera. O clube chegou a solicitar uma carga maior de ingressos ao Boca Juniors depois de vários relatos de pessoas que ficaram na fila e não conseguiram comprar, mas não teve o pedido atendido. Torcedores reclamaram de um suposto baixo número de bilhetes à venda, mas o Palmeiras não informou quantos ingressos da carga original de 2 mil foram disponibilizados nas bilheterias.

FICHA TÉCNICA

Boca Juniors x Palmeiras

Local: Estádio La Bombonera, em Buenos Aires (Argentina)
Data: 25/04/2018
Horário: 21h45 (de Brasília)
Árbitro: Roberto Tobar (Chile)
Auxiliares: Claudio Ríos e José Retamal (Chile)

Boca Juniors: Rossi; Jara, Vergini, Magallán e Más; Nández, Sebastián Pérez e Pablo Pérez; Tevez; Pavón e Ábila. Técnico: Guillermo Barros Schelotto

Palmeiras: Jailson; Marcos Rocha, Antônio Carlos, Edu Dracena e Diogo Barbosa; Bruno Henrique e Felipe Melo; Keno, Lucas Lima e Dudu; Borja. Técnico: Roger Machado

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos