Liga dos Campeões 2015/16

Goleiro detonou o Barça pegando 4 pênaltis e sumiu após quase perder braço

Do UOL, em São Paulo

  • Steaua Bucareste/Divulgação

    Duckadam, de 1,93m de altura, parou o Barcelona na final de 1986

    Duckadam, de 1,93m de altura, parou o Barcelona na final de 1986

Defender quatro chutes em uma disputa por pênaltis não é para qualquer um. Fazer as quatro defesas de maneira consecutiva, mais raro ainda. Mas só um goleiro pode se gabar de ter conseguido tudo isso e na maior final de clubes europeia: trata-se do romeno Helmuth Duckadam, o "Herói de Sevilha", que dois meses depois de fazer o que parecia impossível correu o risco de perder um braço.

Duckadam foi decisivo para o inédito título do Steaua Bucareste em 1986 na Taça dos Clubes Campeões Europeus, nome na épica do torneio que é a atual Liga dos Campeões. O time romeno foi a grande surpresa daquela edição e derrubou o Barcelona na final. Depois de 120 minutos sem gols, coube a Duckadam ser o herói da decisão.

Em um estádio lotado de espanhóis (a final aconteceu em Sevilha), o goleiro defendeu os quatro pênaltis batidos pelo Barcelona. Nos três primeiros, pulou para o seu lado direito e fez as três defesas. A segunda foi a mais difícil: ele desviou a bola com a ponta dos dedos. O Steaua também havia perdido duas cobranças e vencia por 2 a 0 quando chegou a hora de o atacante Marcos tentar o primeiro gol do Barcelona. Se ele errasse a quarta tentativa, o jogo acabava.

"Eu me coloquei na pele de Marcos e disse para mim mesmo: 'Esse goleiro escolheu um lado nesta noite e vai pular no mesmo lado mais uma vez'. Ele [Marcos] pensou a mesma coisa. Então preferi mudar de lado. Saltei no canto esquerdo e peguei o quarto pênalti", relembrou Duckadam, em entrevista ao site da Uefa.

Surgia ali o apelido de "Herói de Sevilha", mais do que justo diante do feito do goleiro. Era 7 de maio de 1986. A festa na Romênia foi grande. Pela primeira vez na história um time do leste europeu ganhava o cobiçado título. Dois meses depois, no entanto, a alegria de Duckadam deu lugar a muita preocupação.

Em julho, segundo relatos da época, o goleiro deu entrada no hospital com um grave problema circulatório. Os médicos que o atenderam disseram que ele corria o risco de precisar amputar o braço direito. As versões para a causa são diferentes: uma trombose e a consequência de um aneurisma foram descritos pelos jornais.

Houve até rumores de que Duckadam teria sido vítima de um ataque promovido pelo líder comunista Nicolae Ceausescu, condenado e fuzilado posteriormente por genocídio. Ele negou a versão mais tarde. O fato é que o romeno foi submetido a algumas cirurgias no braço direito, sumiu do futebol e ficou afastado da bola por três anos.

O goleiro ainda retomou a carreira em 1989, defendendo o modesto Vagonul Arad, da segunda divisão romena. Foram dois anos sem destaque e, então, a aposentadoria. Duckadam virou oficial da polícia e abriu uma escola de futebol. Perdeu muito dinheiro e precisou se livrar de várias recordações do histórico título de 1986. Mas seu nome está na história. As incríveis quatro defesas seguidas de pênalti não serão apagadas.

UOL Cursos Online

Todos os cursos