James Rodriguez: de craque da Copa a terceiro reserva do Real em dois anos

Do UOL, em São Paulo

  • Alberto Saiz / AP

Em 2014, a Colômbia chegou às quartas de final da Copa do Mundo graças a James Rodriguez. Com a camisa 10 amarela, o meia encantou torcedores e especialistas que assistiram ao mundial com um futebol objetivo de passes rápidos e chutes precisos. Ele foi um dos craques da Copa e, por causa do que fez nos gramados brasileiros, acabou contratado pelo Real Madrid.

Pouco mais de dois anos passaram e aquele brilho se apagou. James só foi titular do Real cinco vezes na atual temporada – em 22 partidas do Real. Só uma vez ficou em campo por 90 minutos. Gols, só um, em uma vitória por 2 a 0 contra o Espanyol (em que acabou substituído antes dos 20 minutos do segundo tempo). O que aconteceu?

Zidane quer meias mais defensivos

A resposta mais fácil é olhar para o que o técnico Zinedine Zidane busca em seus meio-campistas. Olhe o trio titular: Casemiro é um cão de guarda e a dupla Kroos e Modric tem importante função defensiva. Os números mostram que eles contribuem muito para a proteção ao goleiro do Real.

Todos têm, em média, mais de 1,8 roubadas de bola por partida. A média de James (no Espanhol e na Liga dos Campeões) é de 1 por jogo, a pior desde que chegou à Espanha. Em interceptações, também. O colombiano não conseguiu nenhuma em jogos do Espanhol. Casemiro corta quatro passes por jogo. Modric, dois.

Terceiro reserva no meio-campo

Os mesmos números explicam, também, porque Isco, outro meio-campista talentoso do Real Madrid, também não tem jogado. O espanhol, porém, é um pouco mais efetivo defensivamente que o colombiano. Isco, por exemplo, tem média de 1,6 roubadas de bola e 0,5 interceptações por jogo. O que explica porque foi Isco, e não James, o escolhido para entrar em campo contra o Barcelona, por exemplo, já que Zidane segue sem contar com Kroos, em recuperação de uma fratura no pé direito.

O clássico, aliás, mostrou qual é a atual ordem de preferência de Zidane no meio-campo. Os titulares foram Modric, o também croata Kovacic (que também é melhor em estatísticas defensivas do que James) e Isco. No segundo tempo, entraram Casemiro, que está de volta após sofrer uma fratura na perna, e o espanhol Mariano. Indicação de que o colombiano, hoje, é apenas a sexta opção para o meio do técnico francês.

Para a partida desta quarta-feira, contra o Borussia Dortmund, às 17h45, pela Liga dos Campeões, o colombiano deve seguir no banco. O time já está classificado, mas ainda luta pela primeira posição no grupo – os alemães têm dois pontos a mais atualmente. Zidane não levou para o jogo Kovacic, o que deve indicar um meio-campo formado por Casemiro, Modric e Isco.

No ataque, aposta é nos jogadores da base

Uma alternativa seria buscar uma vaga no ataque. Mas, novamente, Zidane não parece muito inclinado a isso. Mesmo com a lesão de Bale, que operou o tornozelo, o escolhido para fazer o lado direito do campo foi Lucas Vasquez. Outro jogador das categorias de base do Real, Asensio, também já foi usado na função.

A situação é tão ruim que até na Colômbia o camisa 10 já é criticado. Após a derrota para a Argentina pelas eliminatórias, a imprensa do seu país disse que o jogador "teve um ano perdido" (El Tiempo) e está mais "ansioso, impreciso e mais dedicado a brigar do que jogar" (El Espectador). O El Colombiano até questionou se ele ainda merece ser titular da seleção.

R.Carlos: "precisa de carinho"

Com isso, todos têm uma teoria sobre o que acontece. Faustino Asprilla, ídolo do futebol colombiano (e ex-jogador do Palmeiras), por exemplo, culpou a amizade com Cristiano Ronaldo, já que James teria "incorporado os mesmos gestos" do português, principalmente quando não recebe a bola.

Roberto Carlos não foi tão crítico: "O que ele precisa é de um pouco de carinho. Eu já precisei da mesma coisa. Ele é um fenômeno, mas precisa de mais confiança", disse o ex-lateral do Real e da seleção brasileira. Até Lionel Messi deu seu pitaco: para ele, o melhor para o colombiano seria sair do Real para jogar mais vezes.

Juventus, Manchester e Chelsea se interessam

O próprio Zidane nega problemas. Apesar de admitir que a situação de James é "um problema", ele não fala do colombiano como carta fora dos planos. "Ele é jogador do Real Madrid e é um jogador importante. É claro que não vem jogando muito, mas conto com ele", afirmou o ex-meia em coletiva.

A declaração, porém, não deve evitar que o ex-meia de Monaco e Porto se torne um dos jogadores mais buscados do mercado de inverno no futebol europeu. Manchester United e Chelsea, por exemplo tem interesse nele. Assim como Juventus. Para os interessados, essa temporada no banco deve significar economia: segundo site especializado TransferMarket, a cotação do colombiano caiu no último ano, com seu valor estimado descendo de 80 milhões de euros no início do ano para os 70 milhões atuais.

UOL Cursos Online

Todos os cursos