Antes criticado, Neymar iguala recorde de assistências na Liga

Bruno Doro

Do UOL, em São Paulo

O Barcelona fez 6 a 1 no PSG na quarta-feira (8) e conseguiu a maior virada da história da Liga dos Campeões. Mas outra reviravolta, essa um pouco menos dramática, também aconteceu enquanto saíam os gols da goleada no Camp Nou. E o protagonista foi Neymar.

Para quem não se lembra, quando o ano começou, o brasileiro era criticado pela apatia em campo, pela falta de gols e admitia que, para um atacante, era incômodo passar longe das redes balançando. Mas fevereiro e o início de março foram bons para o ex-santista e o ano que começou ruim, agora, é marcado por um recorde.

Com o passe para o gol de Sergi Roberto (que definiu o confronto contra o Paris Saint-Germais), Neymar chegou a oito assistências nesta edição da Liga dos Campeões. O número iguala recorde neste século: apenas Figo (200/01) e Rooney (2013/14) foram garçons tão bons para seus companheiros em uma temporada da Champions no período. O brasileiro, que disputará pelo menos mais dois jogos no torneio, pode se isolar na ponta.  

Neymar é o líder da lista de assistências na atual Liga das Campeões. Cristiano Ronaldo vem logo atrás, com seis passes para gols do Real Madrid.  

Mais do que isso, segundo o serviço de estatísticas Opta, desde a estreia de Neymar na Champions League, em 2013, ele já deu 15 passes para gol. Nenhum atleta deu mais assistências do que ele no mesmo período – o português do Real Madrid tem as mesmas 15 assistências no período.

É verdade que quando o assunto são os gols o brasileiro não anda tão prolífico. Ele soma apenas 14 gols na temporada, um a menos que em seus primeiros 12 meses de Barcelona, quando marcou 15 vezes. Enquanto isso, fechou a temporada 2014/2015 com 39 gols e a 2015/2016 com 31.

Essa versão mais criativa e menos goleadora de Neymar, porém, é mais uma mostra de maturidade como jogador do que uma decadência técnica. Esta é a segunda temporada completa de Suárez como jogador do time e uma hierarquia foi estabelecida: Messi é o gênio fora de série e Suárez, o definidor das jogadas. Coube ao brasileiro, então, a função de criação dentro do trio MSN.

O sucesso nessa nova função é tão grande que Neymar está fazendo seus maiores críticos se renderem à sua eficiência em campo. O Marca, que durante a fase de grupos da Liga dos Campeões publicou que o trio MSN era "pouco N" em referência às atuações do brasileiro, após o jogo de quarta-feira profetizou: o jogo é um presságio da troca de estrelas do Barça, de Messi para Neymar.

"Com o sumiço de Messi, Neymar assumiu o posto. Deve ser um presságio. Essa troca de guarda entre os jogadores mais importantes da equipe vai acontecer mais cedo ou mais tarde. Messi não foi visto, mas Neymar saiu para campo com de peito aberto para destruir o PSG. Em um jogo daqueles em que se criam heróis, em que as estrelas brilham mais do que nunca, o brasileiro elevou o seu jogo", escreveu o jornal de Madrid.

Atualmente, essa previsão do Marca ainda é exagerada. Messi tem apenas 29 anos e, só nessa temporada, soma 39 gols em 38 partidas. Não dá para negar, porém, que foi o brasileiro - e não o argentino - quem cresceu no momento em que o Barcelona mais precisou: em sete minutos, Neymar marcou dois gols e deu uma assistência para manter a equipe viva na Champions. Aos 25 anos, ele parece apto a repetir o feito outras vezes. Se isso acontecer ainda nesta edição da Liga dos Campeões, não duvide se torcedores catalães abrirem a próxima temporada discutindo, pela primeira vez em muito tempo, quem é o principal atleta do elenco catalão...

UOL Cursos Online

Todos os cursos