De "inseparáveis" a opostos, Danilo e Alex Sandro se reencontram em final

Leandro Miranda

Do UOL, em São Paulo

  • Gonzalo Arroyo Moreno/Getty Images

    Danilo chegou sob muita expectativa ao Real Madrid, mas não conseguiu se firmar

    Danilo chegou sob muita expectativa ao Real Madrid, mas não conseguiu se firmar

Por muito tempo, as carreiras de Danilo e Alex Sandro caminharam lado a lado. Os dois laterais chegaram ao Santos em 2010, destacaram-se no time alvinegro, jogaram juntos no Porto de 2011 a 2015 e foram vendidos, por preços altos, a gigantes do futebol europeu. Mas dois anos depois de se separarem, os dois se reencontrarão na final da Liga dos Campeões em momentos totalmente opostos.

Desde sempre visto como o mais promissor entre os dois, Danilo viu seu status como um dos melhores laterais direitos do mundo cair bastante em duas temporadas no Real. Hoje, às vezes chega a ser o reserva do reserva.

Já Alex Sandro subiu de patamar em dois anos na Itália e virou peça fundamental da equipe de Massimiliano Allegri. Provavelmente, ele será o único da dupla que estará em campo quando o Real Madrid encarar a Juventus neste sábado (3) para decidir o título europeu.

Santos: Danilo decisivo, Alex Sandro coadjuvante

Fábio Maradei, Santos F.C (Divulgação)
Danilo e Alex Sandro, na época de Santos, ao lado de Alan Patrick e Neymar

As trajetórias dos dois laterais se juntaram pela primeira vez no segundo semestre de 2010, quando o Santos comprou Danilo, então uma promessa de 18 anos do América-MG. Alex Sandro, 19, já estava no clube desde março, vindo do Atlético-PR.

Os dois foram bem em suas passagens pela Vila Belmiro, mas o lateral direito, titular absoluto, brilhou mais – especialmente na Libertadores de 2011, quando teve ótimas atuações (inclusive como volante) e fez até o gol do título na final contra o Peñarol.

Já Alex Sandro, disputando posição com o ídolo Léo, teve menos espaço, mas também mostrou potencial. Na campanha do título da Libertadores, foi reserva, mas entrou em quase todas as partidas no segundo tempo. Logo depois do torneio, foi vendido para o Porto. E seis meses mais tarde, após a derrota por 4 a 0 para o Barcelona na final do Mundial, Danilo seguiu os passos do companheiro.

Porto: despertando a atenção da Europa

Miguel Riopa/AFP
Danilo e Alex Sandro se consolidaram no Porto e apareceram para a Europa

Famoso por contratar barato na América do Sul e vender caro na Europa, o Porto fez um excelente negócio com a dupla de laterais brasileiros. Danilo foi contratado por 13 milhões de euros, e Alex Sandro, por 9,6 milhões. Quatro anos depois, eles seriam vendidos, respectivamente, por 31,5 milhões para o Real Madrid e por 26 milhões para a Juventus.

Em Portugal, os dois voltaram a traçar caminhos muito parecidos. Após uma primeira temporada discreta, na reserva, os jovens assumiram a titularidade nas laterais a partir de 2012/13, e conquistaram o título nacional como protagonistas do time. Nos dois anos seguintes, consolidaram-se como destaques do Porto e alvos de mercado dos principais times da Europa.

Assim como no Santos, Danilo deixou o Porto mais bem cotado que Alex Sandro. Custou mais caro ao Real Madrid e chegou com a expectativa de se tornar o que Daniel Alves era para o Barcelona. Já Alex desembarcou na Juventus sem muito estardalhaço. Foi aí que as coisas começaram a mudar.

Queda no Real, ascensão na Juve

MARCO BERTORELLO/AFP
Alex Sandro desbancou Evra e virou peça fundamental na Juventus

Como era de se esperar, os dois brasileiros encontraram problemas semelhantes ao chegarem aos gigantes Real Madrid e Juventus em 2015: concorrência pesada. Enquanto Danilo precisava desbancar o xodó Carvajal no time espanhol, Alex Sandro disputava posição com o experiente francês Evra na equipe italiana.

A "lua-de-mel" de Danilo com a torcida do Real durou pouco. Atuações ruins em partidas importantes, sobretudo na parte defensiva, fizeram com que ele passasse a ser criticado pela imprensa e vaiado pela torcida. Mesmo quando fazia um jogo bom, era difícil ter sequência, graças à regularidade de Carvajal, titular também na seleção espanhola.

Enquanto isso, na Juve, Alex Sandro viveu situação inversa. Pouco a pouco, foi conquistando o espaço de Evra, que já não tinha a mesma presença ofensiva de outros tempos. Em um sistema que dependia muito da contribuição dos alas, o brasileiro foi se tornando mais e mais importante, até que a Juventus decidiu liberar Evra ao Olympique de Marselha no fim do ano passado.

O recado era claro: para Allegri, Alex Sandro dá conta do recado. Já no Real, Zidane chegou a escalar Nacho, zagueiro de origem, como lateral direito em partidas em que Carvajal não esteve, mesmo com Danilo disponível.

Os dois agora se reveem no jogo mais importante do futebol europeu. Alex Sandro é titular garantido; Danilo deve começar no banco, a menos que Carvajal não se recupere a tempo de um problema físico. Quem quer que seja campeão em Cardiff, o certo é que os papéis foram invertidos desde que o Santos conquistou aquela Libertadores há seis anos.

UOL Cursos Online

Todos os cursos