Goleiro de 18 anos põe Júlio César no banco e vira sensação na Champions

Do UOL, em São Paulo

  • Reuters/Carl Recine

    Svilar já quebrou três recordes na Champions. Nem todos positivos

    Svilar já quebrou três recordes na Champions. Nem todos positivos

Você já ouviu falar de Mile Svilar? Pois esse garoto belga, filho de pai sérvio, tem quebrado um recorde atrás do outro. Nem todos positivos, é verdade: o arqueiro que vem deixando o veterano brasileiro Júlio César no banco se tornou o goleiro mais jovem a atuar e a defender um pênalti na Liga dos Campeões, mas também o mais jovem a... fazer um gol contra.

As últimas semanas não foram nada calmas para Svilar. Ele estreou na Liga dos Campeões em 18 de outubro, diante da torcida benfiquista no Estádio da Luz, contra o tradicionalíssimo Manchester United. Com apenas 18 anos e 52 dias, ele quebrou o recorde de goleiro mais novo da história do torneio, superando o lendário Iker Casillas, que era 66 dias mais velho quando debutou pelo Real Madrid em 1999.

As lembranças do jogo, porém, não serão somente positivas. O United venceu por 1 a 0 graças a uma falha bizarra de Svilar. Rashford fez um levantamento longo para a área em cobrança de falta, em lance fácil para o goleiro. Ele até segurou a bola... mas calculou mal a trajetória e acabou cruzando a linha de fundo com ela nas mãos.

O erro não tirou a confiança do técnico Rui Vitória no belga. Na última quarta-feira (31), o Benfica reencontrou o United, desta vez em Old Trafford. E Svilar brilhou ao defender uma cobrança de pênalti de Martial, tornando-se o mais jovem a parar uma penalidade na história da Champions.

Enfim um jogo para lembrar com carinho? Nem tanto. No fim do primeiro tempo, Matic arriscou um chute de longe. Svilar caiu para fazer a defesa, mas a bola bateu na trave, nas costas do goleiro e entrou. Gol contra, mais um recorde para o camisa 1 e mais uma derrota do Benfica: 2 a 0.

Dividido entre duas seleções

Como seu nome denuncia, Svilar tem ascendência sérvia, apesar de ter nascido na Bélgica. O pai do jogador, Ratko Svilar, nasceu na antiga Iugoslávia e também foi goleiro profissional. E ao que tudo indica, o filho vai escolher defender o país "adotivo".

A federação sérvia emitiu um comunicado nesta semana dizendo que existem negociações avançadas com Svilar e sua família para que o goleiro comece a trabalhar com a seleção principal do país. O atleta defendeu a Bélgica em todas as categorias de base e foi titular na Eurocopa sub-17 de 2016, mas deve anunciar em breve a mudança.

Seja qual for a escolha, a possibilidade de Svilar estar na Copa do Mundo de 2018 está mantida, já que tanto a Bélgica como a Sérvia estão classificadas. Será que tem novo recorde à vista?

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos