Liga dos Campeões - 2017/18

Ex-atendente de televendas, lateral vive sonho de jogar final da Champions

Vanderson Pimentel

Do UOL, em São Paulo

  • Laurence Griffiths/Getty Images

Dentre todos os dilemas e dificuldades que Jürgen Klopp teve quando chegou ao Liverpool, em outubro de 2015, um dos mais intrigantes era a lateral esquerda. A pouca eficiência de Alberto Moreno e a improvisação de James Milner acabaram justamente nesta temporada, quando o alemão encontrou um jogador com um passado de superação e que quase largou o futebol há 5 anos.

Nome mais desconhecido do time titular do Liverpool que enfrentará o Real Madrid neste sábado, às 15h45 (de Brasília), Andrew Robertson teve de se desdobrar entre empregos comuns para seguir seu sonho de ser jogador e participar de uma final de Liga dos Campeões no mesmo gramado que terá Salah, Cristiano Ronaldo e Roberto Firmino.

Nascido em 1994, Robertson realizou o seu primeiro sonho ainda na infância, quando passou a jogar pelas categorias de base do Celtic. Após alguns anos, o ainda jovem atleta sofreu o seu primeiro baque, ao ser dispensado do seu clube do coração por ser considerado muito baixo, aos 15 anos.

Futebol amador e dificuldades financeiras

Apesar do desapontamento, Robertson não desistiu e foi atrás de seu sonho no Queen's Park, time mais velho da Escócia. Fundado em 1867, o clube amador de Glasgow não só deu ao lateral a oportunidade de seguir lutando, como também um emprego como atendente de televendas no Hampden Park, principal estádio do país, que pertence ao time de 150 anos.

"O Queen's Park é amador, então você não é pago. Eu trabalhei no lado corporativo das coisas. Recebia chamadas e pedidos de ingressos para os shows e os jogos de futebol", disse em entrevista ao Liverpool Echo.

"Havia um cara Andrew McGlennan, que trabalhava no Queens Park há anos. Ele cuidou de mim e fez com que eu tivesse algum dinheiro no bolso com um pouco de trabalho duro. Ele sabia o que era um sonho e me ajudou. Assim como minha mãe e meu pai. Treinávamos duas vezes por semana à noite e jogávamos no sábado. Então eu trabalhava das 9h às 17h e depois treinava às 18h. "

Quando tinha 18 anos, em 2012, o lateral fez sua primeira temporada como profissional na terceira divisão e chamou a atenção do Dundee United, que o contratou para a temporada seguinte. Na elite do futebol local, Robertson ganhou o prêmio de revelação no Campeonato Escocês de 2014, estreou pela seleção local e foi vendido ao Hull City, por 2,85 milhões de libras.

Titular desde o início de sua estadia na Inglaterra, Robertson chamou a atenção de Jürgen Klopp no ano passado, mesmo após sua equipe ter sido rebaixada no Campeonato Inglês.

Entre reforços caros como Salah por 42 milhões de euros e Alex Oxlade-Chamberlain por 38 milhões de euros, o Liverpool gastou apenas 9 milhões ao comprar o lateral escocês do Hull. Combativo na defesa e habilidoso em suas subidas ao ataque, o escocês rapidamente ganhou a confiança de Klopp, que o colocou como titular já no início desta temporada.

Pouco depois da classificação à final contra a Roma, uma postagem no Twitter de 2012 foi resgatado por seguidores em que Robertson, então com 18 anos, reclamava de sua situação financeira. "A vida nesta época é uma droga sem dinheiro. #PrecisoDeUmEmprego", escreveu o lateral, na postagem que atualmente tem 22 mil likes e 13 retuítes.

Pouco depois do jogo em Roma, o jogador relembrou sua trajetória e mostrou que para quem já passou por diversas dificuldades, enfrentar o Real Madrid é apenas um pequeno obstáculo. "Quando eu cheguei aqui, sonhei com estas noites e aproveitei para encontrar os meus pés, mas estou aqui agora. Tem sido uma jornada inacreditável desde o início. Agora temos que esperar por Kiev e espero ter um grande papel nisso".

UOL Cursos Online

Todos os cursos