Topo

Esporte


City vira sobre Hoffenheim com brilho de Sané e garante liderança do grupo

Do UOL, em São Paulo

12/12/2018 19h54

O Manchester City saiu atrás no Etihad Stadium, mas venceu o Hoffenheim por 2 a 1, de virada, e garantiu a liderança do Grupo F da Liga dos Campeões. Sané, em cobrança de falta e contra-ataque, fez os dois bonitos gols do time inglês; Kramaric, de pênalti, marcou para os alemães.

A equipe de Pep Guardiola já estava classificada para as oitavas de final antes mesmo desta rodada, que foi a última da fase de grupos da competição. Com esta vitória, chegou a 13 pontos e confirmou seu lugar na ponta.

São cinco pontos a mais que o Lyon, segundo colocado. O time francês avançou para a próxima fase nesta quarta (12), graças ao empate por 1 a 1 com o Shakhtar Donetsk em jogo realizado no mesmo horário e sob muita neve.

A equipe ucraniana ficou na terceira posição, com seis pontos, e disputará uma vaga na Liga Europa. Ao Hoffenheim, com três pontos, restou a lanterna.

O melhor: Sané

Gareth Copley/Getty Images
Imagem: Gareth Copley/Getty Images

Assustado com o gol do Hoffenheim, o City demorou para se recompor inteiramente no ataque. As jogadas (principalmente na bola parada e aérea) eram 99% perfeitas, mas a conclusão parava na trave ou no goleiro. Até que veio Sané.

Aos 43 do primeiro tempo, Jesus sofreu falta antes da entrada da área, discutiu com Hubner e teve de ser levemente segurado pelos colegas. Sané conversou com Gundogan, decidiu bater direto e acertou um golaço para empatar a partida.

O atacante alemão ampliou aos 15 do segundo tempo, após tabelar com Sterling e tirar a bola do goleiro Baumann com categoria. No entanto, Sané poderia ter marcado mais vezes.

Pouco antes do segundo gol do City, um contra-ataque se desenhou como uma orquestra. Sterling arrancou do campo de defesa, encontrou o time adversário aberto e, consciente do espaço que tinha, só soltou a bola na entrada da área, ao tocar para Sané.

O problema é que ele rolou para Bernardo Silva, que não esperava receber a bola e foi bem travado pelo goleiro. Talvez Sané, que estava na cara de Baumann, tenha pensado que o colega teria ângulo melhor. Mas mesmo assim, foi uma decisão difícil de se entender.

O pior: Hubner

Com a missão de ser capitão do Hoffenheim, Hubner não tranquilizou os companheiros quando a equipe foi dominada pelo City e, para piorar, fez dura falta sobre Gabriel Jesus, que resultou no golaço de Sané.

Antes de golaço, trave, travessão e goleiro param City

Michael Steele/Getty Images
Imagem: Michael Steele/Getty Images

Em desvantagem no placar durante o primeiro tempo, o Manchester City teve de partir para cima do rival. O problema é que o Hoffenheim, com sua defesa de três zagueiros, limitou os espaços com bola rolando e obrigou o time inglês a apostar na bola parada e aérea.

Na primeira tentativa venenosa, Gabriel Jesus cabeceou forte e fez a bola explodir na trave. Quinze minutos depois, aos 33, Gundogan cobrou falta com levantamento na cabeça de Otamendi, que acertou o travessão.

Entre um lance e outro, o goleiro Baumann brilhou ao defender bem uma tentativa (novamente de cabeça) de Stones, em outra cobrança de falta de Gundogan. Já dava para saber que o gol viria na bola parada; só restava esperar o golaço de Sané.

Hoffenheim entrou eliminado, mas não entregue

Darren Staples/Reuters
Imagem: Darren Staples/Reuters

Aos 15 do primeiro tempo, Kramaric bateu penalidade no centro do gol e abriu o placar. A cobrança em si não foi memorável, mas aquele pênalti cometido por Laporte sobre Hubner ilustra bem a postura do Hoffenheim no confronto.

Afinal, naquele lance específico, o jogador alemão se preparava para sair na cara de Ederson - e não sozinho, pois outro atleta do Hoffenheim também ameaçava o goleiro brasileiro naquele momento. Laporte não optou pela falta por acaso.

Michael Steele/Getty Images
Imagem: Michael Steele/Getty Images

Mesmo já eliminado da Champions, o Hoffenheim se animava com a chance de disputar a Liga Europa e foi para cima desde o início. Na maioria das vezes, o fez sob a liderança de Kramaric e contando com passes errados do City nos primeiros 15 minutos.

O primeiro lance perigoso da partida foi da equipe visitante: Grillitsch tocou para o gol e viu a bola passar perto, à esquerda da meta. Aos 11, Bittencourt desceu pela esquerda e tocou para Kramaric, que, da entrada da área, arriscou o chute e tirou tinta do travessão.

Vice-campeão do mundo com a seleção croata, Kramaric provou ser destaque quando gingou na frente da marcação e finalizou na direção do ângulo. A bola tinha endereço e deveria encontrar a gaveta, mas foi desviada pelo brasileiro Ederson.

Gabriel Jesus cai, assusta e quase marca

Gareth Copley/Getty Images
Imagem: Gareth Copley/Getty Images

A queda de Gabriel Jesus no primeiro tempo, com algo que parecia uma torção no tornozelo, deixou Pep Guardiola preocupado por alguns minutos. No entanto, o atacante se levantou, voltou para a etapa final e quase marcou. Quase.

Aos sete do segundo tempo, o brasileiro tabelou com Sterling, acreditou na jogada, foi até a linha de fundo e, mesmo sem ângulo, arriscou o chute. Embora o lance fosse difícil, Jesus exigiu uma boa defesa de Baumann. 

FICHA TÉCNICA
MANCHESTER CITY 2 X 1 HOFFENHEIM

Data e hora: 12 de dezembro de 2018, às 18h
Local: Etihad Stadium
Árbitro: Andreas Ekberg (Suécia)
Auxiliares: Mehmet Culum e Stefan Hallberg (ambos da Suécia)
Cartões amarelos: Grillitsch, Joelinton (Hoffenheim)
Gols: Sané, aos 46 minutos do primeiro tempo e aos 15 do segundo (City); Kramaric, aos 15 do primeiro tempo (Hoffenheim)

CITY: Ederson; Stones (Walker), Otamendi, Laporte e Zinchenko (Delph); Bernardo Silva (Kompany), Gundogan e Phil Foden; Sterling, Gabriel Jesus e Sané
Técnico: Pep Guardiola

HOFFENHEIM: Baumann; Brenet (Reiss Nelson), Adams e Hubner; Grillitsch, Geiger (Amiri), Bittencourt (Belfodil), Kaderabek e Schuls; Joelinton e Kramaric
Técnico: Julian Nagelsmann

Mais Esporte