UOL Esporte Campeonato Mineiro
 
10/02/2010 - 07h05

Diego Tardelli diz que vaias da torcida atrapalham o Atlético-MG

Gustavo Andrade
Em Belo Horizonte

Assim como havia feito o técnico Vanderlei Luxemburgo, o atacante Diego Tardelli reclamou do comportamento da torcida do Atlético-MG em jogos recentes disputados no Mineirão. O artilheiro Alvinegro disse que, apesar dos protestos e pedidos de raça, não há falta de empenho dos jogadores em campo.

“A gente não entra de brincadeira, para andar em campo. A gente toma um gol e a torcida já pede raça. Acho que não é por aí. Isso acaba atrapalhando alguns jogadores dentro de campo, porque a gente está querendo fazer o melhor e ninguém está de sacanagem”, disse Tardelli.

Na última temporada, o Atlético chegou a liderar o Campeonato Brasileiro, mas sequer alcançou uma vaga para a Copa Libertadores, enquanto o arquirrival Cruzeiro disputa a competição internacional pelo terceiro ano consecutivo.

Para Tardelli, o bom momento do Cruzeiro resulta em pressão sobre os jogadores do Atlético. “A torcida tem de ser paciente, foram apenas três jogos. Talvez a torcida esteja revoltada com alguma coisa, por o nosso rival estar em uma fase melhor. Então a torcida quer que a gente esteja à frente, melhor que o rival e por isso acho que acaba perdendo a paciência com a gente dentro de campo”, avaliou.

O atacante disse que as vaias da torcida têm deixado os jogadores sem confiança em campo. “É claro que é ruim você pegar na bola a torcida te vaiar. Você perde total confiança dentro de campo. Fica com receio de fazer jogadas, de fazer o que vem fazendo, então atrapalha”, observou.

Ídolo da torcida, Tardelli fez um apelo aos torcedores. “A torcida, se quiser, ela pode vaiar no final do jogo, o que seria normal. A torcida tem de estar com a gente. A hora que a torcida começou a jogar com a gente no último jogo, a equipe cresceu, voltou a finalizar, tanto que saiu o gol do Muriqui. Então deixa para vaiar para o final do jogo”, afirmou.

“A torcida tem de nos apoiar sempre, principalmente a torcida do Atlético, que comparece em massa. Em jogos que não são importantes, contra times do interior, a torcida está fazendo sua parte, colocando 30 mil. Então a gente pede que tenham um pouco mais de paciência com a gente dentro de campo”, acrescentou o camisa 9.

Desde que chegou ao Atlético, no início de 2010, Luxemburgo reclamou do comportamento da torcida atleticana. Depois do empate em 1 a 1 com o Ipatinga, domingo passado, no Mineirão, o treinador disse que o torcedor que vai ao estádio para vaiar deve ficar em casa.

Após empatar com o América-MG, por 1 a 1, na primeira rodada do Estadual, no Mineirão, Luxemburgo também criticou o comportamento de torcedores atleticanos. Ele alegou na ocasião que a torcida não apoiou a equipe quando esteve em desvantagem.
 

Compartilhe:

    Placar UOL no iPhone

    Hospedagem: UOL Host