UOL Esporte Campeonato Mineiro
 
27/02/2010 - 07h18

Cruzeiro se prepara para aproveitar bola parada na Fazendinha

Gustavo Andrade
Em Belo Horizonte
  • Zagueiro Leonardo Silva fez gol no clássico contra o Atlético-MG, sábado passado, em bola parada

    Zagueiro Leonardo Silva fez gol no clássico contra o Atlético-MG, sábado passado, em bola parada

Depois de vencer o Atlético-MG por 3 a 1, com dois gols originados de escanteios, e marcar assim o seu primeiro gol na vitória por 2 a 0 sobre a Caldense, nos seus dois últimos jogo pelo Campeonato Mineiro, o Cruzeiro quer neste sábado, diante do Ituiutaba, aproveitar as dimensões reduzidas do estádio da Fazendinha e novamente utilizar as jogadas de bola parada.

“A bola parada também é um fator importante, é o que nós pensamos no jogo contra a Caldense e tivemos a felicidade de numa bola parada fazer o gol do Wellington (Paulista)”, destacou o técnico Adilson Batista.

Para o jogo deste sábado, o técnico cruzeirense tem a expectativa de um jogo corrido. “Independente das dimensões ou da própria condição do gramado, o jogo no interior é correria. O torcedor fica em cima e tem mais algumas coisas que a gente já sabe como funcionam no futebol”, comentou.

Responsável pela cobrança de escanteio que resultou no gol do zagueiro Leonardo Silva na vitória sobre o Atlético, o meia Roger ressalta a necessidade de aproveitar as bolas alçadas na área do adversário na Fazendinha. “Nesses campos pequenos, a bola parada é muito importante. Temos zagueiros altos que vão nessa bola e até com algumas jogadas ensaiadas”, observou.

Neste sábado, o meia cruzeirense atuará pela primeira vez ao lado dos atacantes relacionados para a partida contra o Ituiutaba. Ele espera que o entrosamento com os homens de frente seja bem sucedido.

“Eu vou ter a oportunidade de jogar pela primeira vez com o Wellington e o Eliandro, ali na frente, ou com o Kieza, que está chegando agora, e o Lessa. Então são quatro opções que comigo vão ser a primeira vez. Mas o Cruzeiro tem um esquema predeterminado e isso facilita”, analisou.

Se terá de lidar com a falta de entrosamento com os atacantes que enfrentarão o Ituiutaba, Roger não deve ter problemas quanto ao calor do Pontal do Triângulo. “No Qatar, a gente joga em temperaturas elevadíssimas e tomara que não seja um problema, mas a gente vai torcer para que dê uma chovida”, brincou.
 

Compartilhe:

    Placar UOL no iPhone

    Hospedagem: UOL Host