Números explicam opção de Aguirre na disputa entre volantes no Atlético-MG

Victor Martins

Do UOL, em Belo Horizonte

  • Bruno Cantini/Clube Atlético Mineiro

    Júnior Urso em ação no clássico Atlético-MG x Cruzeiro

    Júnior Urso em ação no clássico Atlético-MG x Cruzeiro

Campeão da Libertadores, campeão da Copa do Brasil, no clube desde 2012 e com quase 200 partidas pelo Atlético-MG, o volante Leandro Donizete é um ídolo da torcida. Certamente não pelo jogo bonito, mas por representar em campo um dos principais valores para os atleticanos: a dedicação. O estilo de jogo lhe rendeu o apelido de General. Mas aos 33 anos, Leandro Donizete já não é mais absoluto na Cidade do Galo.

Então chegou Júnior Urso, volante que teve grande destaque nas duas temporadas em que atuou pelo Shandong Luneng, da China. Mas Leandro Donizete se manteve como titular, até receber o terceiro cartão amarelo em três jogos da Copa Libertadores. Suspenso da partida contra o Colo-Colo, em Belo Horizonte, o camisa 8 abriu espaço para o concorrente.

Urso aproveitou bem a chance e se tornou o titular do Atlético, ao lado de Rafael Carioca. Foi assim nas duas partidas após a importante vitória por 3 a 0 sobre os chilenos. O fato de Leandro Donizete ser idolatrado pela torcida faz com que a decisão do técnico Diego Aguirre seja contestada por alguns.

Algo que cresceu após a derrota para o Cruzeiro, já que muito da ligação entre Atlético e Leandro Donizete se deve à postura do volante nos clássicos. Sempre chegando firme e com um ótimo retrospecto diante do rival, Donizete é visto pelos atleticanos como um jogador que coloca respeito frente aos cruzeirenses. E os resultados estão do lado dele, já que Donizete não jogou nas duas vezes em que o Cruzeiro bateu o Atlético no Independência.

Mas os outros números estão com Júnior Urso. O volante que chegou em fevereiro à Cidade do Galo está na frente de Leandro Donizete, de acordo com as estatísticas do Footstats, seja para defender ou até mesmo na parte ofensiva. Na Libertadores, Júnior Urso foi titular apenas uma vez, mas tem seis desarmes, assim como Donizete, que começou jogando as três primeiras partidas.

Motivo pelo qual Donizete tem mais passes certos, são 130 contra 77. Porém, em aproveitamento, ambos têm 90% de eficiência na hora de passar a bola. Só que Júnior Urso leva vantagem por chegar mais na área adversária, tanto que já tem uma assistência no torneio continental, além de ter criado duas jogadas que não foram bem concluídas pelos companheiros.

Os números no Campeonato Mineiro também mostram que Júnior Urso faz uma temporada melhor. Urso tem um jogo a mais do que Donizete, mas tem muito mais desarmes (12 x 5), muito mais finalizações (9 x 2), além de sofrer mais faltas (11 x 6). Leandro Donizete leva vantagem no número de lançamentos certos (8 x 5), além de ter feito menos faltas (8 x 12).

Se a torcida se apega ao lado sentimental, o técnico Diego Aguirre pode usar os números para justificar a opção neste momento. O certo é que o treinador do Atlético se mostra bastante contente com as opções que tem dentro do elenco.

"Valorizo muito o Leandro, grande jogador e grande profissional. Temos muitos jogos, ele é importante para time. Não significa nada (ser reserva agora). São decisões que tenho de tomar. No momento, acho que são as melhores", explicou Aguirre depois do clássico.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos