Apesar da volta de Victor, Atlético-MG dá vexame no Independência

Victor Martins

Do UOL, em Belo Horizonte

  • ANDRÉ YANCKOUS/AGIF/ESTADÃO CONTEÚDO

    Jogadores do Atlético-MG e do Tricordiano disputam bola no Campeonato Mineiro

    Jogadores do Atlético-MG e do Tricordiano disputam bola no Campeonato Mineiro

Equipes e o trio de arbitragem perfilados para entrarem no gramado do Independência. O primeiro jogador do Atlético-MG é o goleiro Victor, retornando ao time após uma artroscopia no joelho direito. Está lá o camisa 1, com a braçadeira de capitão e puxando o time para dentro de campo. Certamente o único ponto positivo para o Atlético na vexatória derrota para o Tricordiano, por 4 a 2.

É verdade que os donos da casa estavam com a equipe praticamente formada por reservas. No banco, com as exceções de Lauro e Robinho, os demais jogadores acabaram de sair da categoria de base do clube ou ainda fazem parte dela. Enfim, mas não pode servir de desculpa para uma nova atuação abaixo da crítica.

Se para o Atlético quase nada estava em jogo, para o Tricordiano o resultado positivo valia muito. Valeu a permanência da elite do futebol, após conturbado ano de estreia, marcado mais pelas confusões extracampo. Já o Atlético, como consolo, sabe que oito dos 11 jogadores que iniciaram o jogo contra o Tricordiano não vão jogar contra o Melgar, pela Libertadores, na quinta-feira.

FICHA TÉCNICA
ATLÉTICO-MG 2 X 4 TRICORDIANO

Data: 10/04/2016 (domingo)
Horário: 16h (de Brasília)
Motivo: 11ª rodada do Campeonato Mineiro
Local: Independência, em Belo Horizonte (MG)
Público: 7.662,00
Renda: R$ 111.260,00
Árbitro: Felipe Fernandes de Lima (MG)
Assistentes: Ricardo Júnio de Souza e Magno Arantes Lira (MG)
Cartões amarelos: Pablo, Leandro Donizete e Victor (CAM) Rodrigão Paulista (TRI)
Gols: Cazares aos 26 min, Marcinho aos 32 min do primeiro tempo; Juninho Arcanjo a 1 min, Marquinhos aos 9 min, Robinho aos 49 min e Arnold e 50 min do segundo tempo

ATLÉTICO-MG
Victor, Carlos César, Edcarlos, Tiago e Mansur (Robinho, aos 10 do 2º); Leandro Donizete, Lucas Cândido, Eduardo e Cazares; Pablo (Capixaba, no intervalo) e Clayton.
Treinador: Diego Aguirre

TRICORDIANO
Marcão, Rodrigo Paulista, Nilo, Bruno Costa e Marquinhos; João Paulo, Bruno Moreno, Júnior Lemos e Juninho Arcanjo (Arnold, aos 39 do 2º); Marcinho (Diogo Capela, aos 20 do 2º) e Léo Guerreiro (Dinei, aos 23 do 2º).
Treinador: Paulo César Catanoce.

Fases do Jogo

  • 1º TempoTarde de muito sol em Belo Horizonte e temperatura alta. Mas quente mesmo apenas o clima durante a primeira metade da etapa inicial. Em campo uma partida morna, entre Atlético e Tricordiano. Com pouquíssimas chances criadas pelas duas equipes. Com uma formação praticamente reserva, a equipe atleticana sofreu bastante para criar. Tanto que o gol saiu somente aos 26 minutos, após pênalti de Nilo em Tiago. Cazares bateu e abriu o placar. Mas a vantagem durou poucos minutos. Aos 32, Juninho passou com muita facilidade por Mansur e tocou para Marcinho empatar.
  • 2º TempoSe o primeiro tempo foi morno, o segundo começou quente e muito bom para o Tricordiano. Logo no primeiro minuto um pênalti de Leandro Donizete em Léo Guerreiro. Juninho Arcanjo bateu e virou a partida, placar suficiente para garantir a equipe de Três Corações na elite do futebol mineiro. O que era bom ficou ainda melhor, aos 8 minutos, quando o lateral Marquinhos acertou uma belo chute de fora da área, pegando o goleiro Victor de surpresa. Foi então que Diego Aguirre colocou Robinho em campo, para tentar diminuir o vexame. O Atlético ficou mais ofensivo, criou mais, como no lance em que Lucas Cândido acertou a trave, assim como Eduardo. Mas também esteve perto de sofrer o quarto gol. Já nos descontos Robinho diminuiu, mas Arnold marcou na saída de bola.

Destaques

  • SemifinalO adversário do Atlético na próxima fase do Campeonato Mineiro vai ser a URT. O primeiro jogo vai ser em Patos de Minas. As datas e horários dos confrontos semifinais vão ser divulgados pela Federação Mineira de Futebol nesta segunda-feira.
  • Protesto silenciosoPunida por causa de uma briga com cruzeirenses, a principal torcida organizada do Atlético ficou em silêncio durante todo o primeiro tempo da partida com o Tricorodiano. Já na segunda etapa, não faltou incentivo aos jogadores dentro de campo.
  • Hora da ceraCom a vantagem de dois gols no resultado e permanência sendo garantida, o Tricordiano não teve vergonha nenhuma em apelar para a cera. A equipe de Três Corações enrolou o máximo que conseguiu.

Melhores

  • Juninho Arcanjo, TricordianoA camisa 10 do Tricordiano foi revelado pelo Atlético e garantiu sua atual equipe na elite do futebol mineiro. Juninho deu o passe para o primeiro gol e fez o gol da virada, placar que já era suficiente para o time de Três Corações não ser rebaixado.

Piores

  • Pablo, Atlético-MGO atacante ganhou mais uma chance com Diego Aguirre e mais uma vez ficou devendo. Foram 45 minutos em campo e pouca produção. O lance de maior destaque aconteceu logo após o empate do Tricordiano, quando cabeceou sozinho e errou o gol.
  • Mansur, Atlético-MGBastante criticado nas vezes anteriores que jogou pelo Atlético, Mansur não fez diferente contra o Tricordiano. Falhou no primeiro gol do adversário e errou muitos lances.

Próximo Jogo - Atlético-MG

  1. Ponte Preta PON
    Atlético-MG CAM

UOL Cursos Online

Todos os cursos