Para melhorar, jogadores do Atlético-MG dizem que é preciso agredir mais

Victor Martins

Do UOL, em Belo Horizonte

  • Bruno Cantini/Clube Atlético Mineiro

    Com dificuldade para criar jogadas, Atlético-MG apelou para as jogadas aéreas contra o Cruzeiro. Não funcionou

    Com dificuldade para criar jogadas, Atlético-MG apelou para as jogadas aéreas contra o Cruzeiro. Não funcionou

Passados os dois primeiros jogos da temporada, a sensação é que o Atlético-MG ainda não jogou bem. Algo aumentado pelo resultado no clássico. Perder para o Cruzeiro e jogando mal, deixa o clima de desconfiança no ar. Será que esse elenco caro e que não conquistou títulos em 2016 vai conseguir alcançar os objetivos em 2017?

A resposta é dada pelos próprios jogadores. Mesmo após o início de temporada bem abaixo do esperado, os atleticanos seguem confiantes. "Isso é por ser início de temporada. O trabalho que ele está propondo para a gente vai se desenvolver o mais rápido possível e vamos chegar fortes nas finais das competições", explicou o goleiro Giovanni, peça de destaque nos confrontos com América, de Teófilo Otoni, e Cruzeiro.

E o fato de o goleiro atleticano ter trabalhado bastante nos primeiros jogos do ano é uma preocupação. Mesmo com mais posse de bola e com muito mais passes certos do que os adversários, o Atlético sofre bastante para criar jogadas ofensivas. Contra o América-TO foram 458 passes certos, um aproveitamento de 91%, mas apenas dez finalizações, sendo apenas três no rumo do gol. Enquanto o adversário ficou com a bola apenas 36% do tempo e conseguiu finalizar nove vezes, sendo duas no rumo do gol defendido por Giovanni.

Algo que se repetiu no clássico. Mais uma vez o Atlético teve mais posse de bola, 52% contra 48% do Cruzeiro, e trocou mais passes do que adversário, foram 364 passes certos, mais de 100 do que o rival. No entanto, foi o time celeste que chegou com mais perigo. Se a grande chance do Atlético no jogo se resumiu a bola alçada na área e não aproveitada por Felipe Santana, o Cruzeiro fez de Giovanni um dos principais jogadores do clássico.

O Atlético finalizou somente cinco vezes, duas no rumo do gol defendido por Rafael, enquanto a equipe do técnico Mano Menezes chutou 12 vezes, sendo cinco no alvo. Giovanni não conseguiu evitar o gol de Arrascaeta, mas fez grandes defesas nas tentativas de Alisson e Rafael Sóbis. Se alguns números já agradam, como posse de bola e eficiência na troca de passes, falta agredir mais o adversário. Mas não com violência, com finalizações, como ressaltou o goleiro Giovanni.

"A partir do momento que você não agride o adversário com finalizações, o adversário vem para cima e criar oportunidades. Isso é do futebol. A gente vai conversar. O trabalho do professor Roger tem sido excelente, acho que a nossa equipe falta um pouquinho para assimilar o trabalho. Vamos conversar para ajustar, pois o que o professor Roger está nos propondo é coisa de gênio. Então, se a gente conseguir colocar em prática, vamos conseguir conquistar os títulos", disse o goleiro atleticano, que no clássico viu a falha na armação das jogadas, já que a bola pouco chegou até Lucas Pratto.

"No primeiro tempo nós não conseguimos envolver a equipe do Cruzeiro. Para o segundo tempo a gente conversou, melhorou, mas faltou acertar aquele último passe para a conclusão. A gente tem pela frente o tempo suficiente para trabalhar e crescer cada vez mais".

Para ajustar o que ainda não funcionou, é preciso jogar. Pelo menos é a opinião do volante Rafael Carioca. De acordo com o camisa 5, falta ritmo de jogo ao Atlético para que os jogadores mostrem em campo o que foi treinado nas primeiras três semanas da pré-temporada realizada na Cidade do Galo. Então, nada de time reserva contra o Tombense, neste sábado, às 17h, em Muriaé.

"Não tem essa de revezar, a gente precisa jogar, para pegar ritmo de jogo. Foi nítido que a partir do meio do segundo tempo contra o Cruzeiro o time cansou, afinal são pouco mais de 15 dias de pré-temporada. Então precisamos jogar, os jogadores que estão chegando precisam jogar. Quanto mais jogar, mais rápido vamos entrosar".

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos