Presidente do Galo vai interpelar judicialmente presidente do América-MG

Victor Martins

Do UOL, em Belo Horizonte

  • Bruno Cantini/Clube Atlético Mineiro

    Sérgio Sette Câmara não ficou nada satisfeito com entrevista do presidente do América-MG

    Sérgio Sette Câmara não ficou nada satisfeito com entrevista do presidente do América-MG

O Atlético-MG venceu o América-MG nas duas partidas válidas pela semifinal do Campeonato Mineiro e vai decidir a competição com o Cruzeiro. Porém, fora de campo, a semifinal entre Galo e Coelho ainda vai render um pouco mais. Após a classificação, o presidente do Atlético, Sérgio Sette Câmara, fez um pronunciamento e garantiu que irá interpelar judicialmente Marcus Salum, o mandatário do América.

Tudo por causa de uma entrevista concedida pelo presidente do clube alviverde, na sexta-feira, para uma rádio de Belo Horizonte. Na ocasião, o dirigente americano cogitou a possibilidade de existir um esquema de favorecimento do Atlético, por parte da Federação Mineira de Futebol e a Comissão de Arbitragem da entidade.

Divulgação/Site do América-MG
Marcus Salum, presidente do América-MG, será interpelado judicialmente pelo presidente do Atlético-MG

"Ele tem que entender que deve haver respeito às pessoas, aos dirigentes dos clubes e não se pode falar palavras ao vento como ele fez em uma importante rádio de Belo Horizonte. Pessoas não podem ter os seus nomes machados. O Atlético tem em seus quadros pessoas honestas, corretas, trabalhadoras, cujo maior patrimônio é o seu nome. E eu entendo que a Federação também. Eu conheço bem o Castellar (presidente da FMF). É uma pessoa correta, um advogado brilhante, um grande jurista. E a gente não pode ter o nome jogado na lama. Ele chegou até a aventar a existência de algum tipo de conluio entre nós com a Federação, com a arbitragem", disse Sette Câmara, que seguiu.

"Isso não pode acontecer. E neste aspecto, nós vamos interpelar o presidente do América, Marcus Salum, judicialmente. Ele que dê nomes aos bois. Se ele não fizer isso, vai ter que responder judicialmente. Nós vamos buscar a reparação deste dano, pois entendemos que foi muito grave o que ele fez durante esta semana".

A bronca da diretoria do Atlético com os dirigentes do América começou antes mesmo de a bola rolar para o primeiro jogo. De acordo com Sette Câmara, o desejo do clube alvinegro era contar com o Independência cheio nas duas partidas. Porém, segundo a versão atleticana, não houve acordo com o América.

Por isso, nas duas partidas as torcidas visitantes pagaram R$ 100 pelo ingresso. Algo que ficou ainda mais nítido neste domingo. O triunfo do Atlético por 2 a 0 foi acompanhado por pouco mais de 6 mil pessoas. Os setores superiores, os mais baratos, sequer foram abertos pelo América.

"Como presidente do Atlético eu fico triste. No dia do aniversário de 110 anos do clube, esperávamos o campo cheio de torcedores dos dois clubes. A forma como o América se postou na reciprocidade, na negociação desses jogos, foi para afastar o torcedor desse campo. Dirigente tem que ter a cabeça diferente, tem que ser moderno. Torcedor tem que vir para campo. Futebol é emoção, alegria. Tem que vir a família, filhos. É assim que a gente quer, campos cheios. Ver um campo vazio numa semifinal do Campeonato Mineiro com os dois times na Série A, é uma vergonha. Mas eu não me incluo. Como disse, fiz de tudo que vocês possam imaginar para ter o campo cheio aqui", completou o presidente do Galo.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos