Topo

Futebol


Números mostram Emerson e Guerrero em alta no ataque do Corinthians

Daniel Augusto Jr./Ag. Corinthians
Guerrero protege a bola observado por Emerson; dupla tem dado certo no Corinthians Imagem: Daniel Augusto Jr./Ag. Corinthians

Do UOL, em São Paulo

2013-04-15T06:00:00

15/04/2013 06h00

Depois de ganhar seu espaço e até ser convocado para a seleção brasileira, Alexandre Pato voltou para o banco de reservas do Corinthians. A opção de Tite não é apenas circunstancial. Os números da equipe na temporada mostram que, a despeito do destaque dado ao ex-milanista, Emerson e Guerrero fizeram por merecer o status de titulares.

A escolha pelo peruano, herói do Mundial de Clubes do ano passada, é a mais óbvia. Guerrero tem 11 gols no ano e é, disparado, o artilheiro do Corinthians na temporada. São 19 gols em 34 jogos pelo clube, contando as partidas feitas no segundo semestre do ano passado, que o colocam como intocável na equipe alvinegra.

Paolo Guerrero
Paolo Guerrero
#dev_albumEmbed010('tagalbum','62695')

Emerson sofreu para balançar as redes neste ano. Foram dois gols até agora e o jejum que chegou a ser incômodo. O Sheik perdeu a posição quando teve uma leve lesão muscular e faltou a dois treinos seguidos, em seu pior momento em 2013.

Hoje, ele parece ter encontrado seu espaço na equipe. Emerson tem oito assistências e é o líder do time no quesito. No último domingo, a parceria entre dele com o peruano funcionou de novo. Com 2 minutos de jogo, um passe do Sheik encontrou Guerrero livre dentro da área do Linense após a falha de um zagueiro, e o camisa 9 abriu o placar.

Alexandre Pato, como tem sido nos últimos jogos, assistiu a tudo do banco. O ex-milanista viveu seu melhor momento até o 3 a 0 contra o Tijuana, no Pacaembu, quando sentiu uma lesão na coxa direita. Por precaução, ele ficou fora de alguns jogos, perdeu outro pela convocação para a seleção e voltou para o banco.

A seu favor, em termos de números, Pato tem a iniciativa. Como o UOL Esporte mostrou após sua convocação, o camisa 7 é líder da equipe em dribles e chutes (leia mais aqui), e já foi às redes cinco vezes. O problema é a adaptação de seu estilo de jogo.

Tite já explicou que a entrada dele muda o sistema do Corinthians atual, acostumado a usar Guerrero como pivô. Com Pato em campo, os armadores têm de buscar o atacante com bolas em profundidade.

Enquanto tinha Renato Augusto ao seu lado, a parceria funcionou bem e o ex-milanista viveu seu melhor momento no ano. Agora, com a armação a cargo de Romarinho e Danilo, a ajuda de Emerson na criação torna-se fundamental para o esquema de Tite, que parece à vontade com a dupla que conquistou o Mundial do ano passado. 

Mais Futebol