Topo

Futebol


Com falha de Ceni e golaço, Palmeiras atropela São Paulo no Allianz Parque

Guilherme Palenzuela e Pedro Lopes

Do UOL, em São Paulo

26/03/2015 00h02

Jogando pela primeira, e provavelmente última vez no Allianz Parque (deve se aposentar em agosto), Rogério Ceni comemorava diante do Palmeiras seu jogo de número 1200 com a camisa do São Paulo. As coisas saíram de forma bem diferente do que o capitão são-paulino esperava: com falha sua, o alviverde não tomou conhecimento do rival, atropelou e venceu por 3 a 0.

Ceni saiu jogando logo aos dois minutos. Robinho aproveitou, e acertou um lindo chute por cobertura, quase do meio do campo. Falha de Rogério, gol antológico e caminho aberto para a vitória, que foi facilitada pela infantil expulsão de Rafael Toloi aos sete minutos de jogo. A partir daí, foi ladeira abaixo.

Com autoridade, o Palmeiras encerrou um jejum em clássicos que já durava mais de um ano – a última vitória tinha sido em fevereiro do ano passado, contra o próprio São Paulo. A vitória, comandada por Dudu e Rafael Marques, levou o alviverde a 27 pontos – segue na liderança do Grupo 3.

Os comandados de Muricy também são líderes em seu grupo, o 1, com 26 pontos. A derrota, porém, é a terceira em quatro clássicos disputados na temporada  - duas derrotas contra o Corinthians e um empate contra o Santos.

Fases do jogo

Os dois times não tiveram tempo nem de sentir o clima da partida: a falha de Rogério Ceni aconteceu logo aos três minutos. Saída errada, chute de muito longe de Robinho e um golaço. Barulho ensurdecedor no Allianz Parque.

Atordoado, o são Paulo se complicou ainda mais quatro minutos depois: Dudu acertou uma cotovolada em Toloi, que não foi vista pelo árbitro Vinicius Furlan. O zagueiro revidou com um chute, este visto e acabou expulso.

Desmontado, o time comandado por Muricy tentou se conter – não conseguiu. A saída de Pato, o mais móvel do time, não ajudou. Após linda jogada de Dudu pela esquerda, Rafael Marques ampliou. Rogério ainda fez algumas boas intervenções, evitando uma goleada antes do intervalo.

Volta para o segundo tempo, e o calvário são-paulino não dava sinais de terminar. Logo aos seis minutos, Zé Roberto cruzou da esquerda e Rafael Marques, outra vez, bateu forte para mandar para as redes. 3 a 0, festa alviverve nas arquibancadas e massacre dentro de campo.

O terceiro gol esfriou um pouco o ímpeto alviverde, diante de um adversário que não dava sinais de oferecer qualquer perigo. Com o jogo tranquilo, Oswaldo de Oliveira colocou em campo o garoto Gabriel Jesus, para delírio da torcida palmeirense.

Como se já não estivesse difícil o suficiente, o São Paulo perdeu ainda Michel Bastos - o camisa 7 deu entrada dura em Zé Roberto e também levou o vermelho. Por pouco não veio o quarto gol: Gabriel bateu para fora após bonita tabela na entrada da área. Foi ao som de gritos de "olé" e "mais um" que o apito final encerrou o massacre palmeirense no Allianz Parque.

O melhor – Dudu (Palmeiras)

Atordoou a defesa adversária com movimentação e jogadas individuais. Causou a expulsão de Toloi e fez a jogada do segundo gol alviverde. No segundo tempo, continuou infernizando com dribles e arracandas.

O pior – Toloi (São Paulo)

Expulso aos sete minutos do primeiro tempo, destruiu qualquer possibilidade de reação do São Paulo. Levou sim uma cotovelada de Dudu, mas o revide, de forma acintosa e na frente da arbitragem, foi infantil e prejudicou muito a equipe.

Toque dos técnicos

Oswaldo de Oliveira manteve o seu 4-2-3-1. Com a bola, Lucas reforçava a linha defensiva, e permitia que Zé Roberto participasse do jogo entrando em direção ao meio – o veterano fez uma ótima partida. Muricy Ramalho teve seu esquema desmontado com a expulsão de Toloi logo aos seis minutos, mas errou ao tirar Pato – o atacante era o que mais se movimentava e buscava jogo do time (saiu demonstrando bastante irritação) – para colocar Edson Silva. Ao longo de toda a partida, o São Paulo praticamente não levou perigo.

Para lembrar

Porcão.O Palmeiras estreou seu novo tunel de saída do vestiário – um porco gigantesco, apelidado pelos torcedores do Allianz Parque de porcão.

Com moral. Gabriel Jesus foi muito aplaudido quando o sistema de som na arena alviverde anunciou o banco de reservas do Palmeiras.

Loop. O telão do Allianz Parque mostrou inúmeras vezes o gol de placa do meia Alex contra o São Paulo, chapelando Rogério Ceni. O ex-camisa 10 alviverde se aposenta neste fim de semana.

Torcedor. Paulo Nobre, presidente do Palmeiras, disse que não estava no estádio como presidente, e sim como torcedor. Certamente gostou do que viu.

Protesto. Na segunda etapa, a mínuscula torcida são-paulino que pagou 200 reais para assistir à derrota se virou de costas para o gramado e criticou o presidente Carlos Miguel Aidar.

Irritado. Pato demonstrou irritação ao ser substituído, e foi direto para o vestiário. Só depois, com a cabeça mais fria, assistiu ao restante do jogo ao lado dos companheiros.

FICHA TÉCNICA
PALMEIRAS X SÃO PAULO

Data:
 25 de março de 2015, quarta-feira
Horário: 22h (de Brasília)
Local: Allianz Parque, em São Paulo (SP)
Árbitro: Vinicius Furlan
Assistentes: Alex Ang Ribeiro e João Edilson de Andrade
Gols: Robinho, 3’-1ºT (1-0); Rafael Marques, 23’-1ºT (2-0); Rafael Marques, 6’-2ºT (3-0)
Cartões amarelos: Zé Roberto, Vitor Hugo (Palmeiras); Ganso (São Paulo)
Cartões vermelhos: Rafael Toloi, Michel Bastos (São Paulo)

PALMEIRAS: Fernando Pras; Lucas, Tobio, Vitor Hugo e Zé Roberto; Arouca e Gabriel; Dudu (Leandro Pereira), Rafael Marques e Robinho (Alan Patrick); Cristaldo (Gabriel Jesus)
Técnico: Oswaldo de Oliveira

SÃO PAULO: Rogério Ceni; Bruno, Lucão, Tolói e Carlinhos; Denilson, Hudson, Ganso (Centurión) e Michel Bastos; Pato (Edson Silva) e Alan Kardec (Boschilia)
Técnico: Muricy Ramalho

Mais Futebol