Palmeiras e Santos fazem clássico morno e não saem do 0 a 0 no Allianz

Diego Salgado

Do UOL, em São Paulo

O clássico deste sábado, no Allianz Parque, de nada lembrou os eletrizantes jogos feitos pelas equipes em 2015. Em partida morna e debaixo de muita chuva (no segundo tempo), Palmeiras e Santos abusaram das jogadas pelo alto e dos passes errados, falharam na criação e não saíram do 0 a 0, em duelo válido pela quinta rodada do Campeonato Paulista.

Porém, caso o jogo tivesse que ter um vencedor, este seria o Santos. Mesmo fora de casa, o time de Dorival Júnior teve mais posse de bola e criou três ótimas chances de gol (praticamente as únicas do jogo), ambas no segundo tempo. Gabigol desperdiçou todas elas.

O resultado acaba sendo pior para o Palmeiras, que tropeça mais uma vez em casa e chega a cinco jogos sem vitórias, sendo quatro deles pelo Paulistão. O time alviverde, ainda assim, continua na liderança do grupo B, agora com seis pontos.

Já o Santos ao menos continua invicto na temporada. Agora, são três empates e duas vitórias. A equipe da Vila Belmiro chega a nove pontos e assume a liderança do grupo A.

PALMEIRAS 0 X 0 SANTOS

Data: 20/02/2016 (sábado)
Local: Allianz Parque, em São Paulo (SP)
Árbitro: Raphael Claus (SP)
Assistentes: Emerson Augusto de Carvalho e Bruno Salgado Rizo (ambos SP)
Cartões amarelos: Matheus Sales, Gabriel Jesus e Alecsandro (Palmeiras); Victor Ferraz, Ricardo Oliveira, Elano, Zeca, Léo Cittadini e Gustavo Henrique (Santos)
Público/Renda: 23.181 pagantes/R$ 1.317.272,44

PALMEIRAS
Fernando Prass; Lucas, Roger Carvalho, Vitor Hugo e Zé Roberto; Thiago Santos (Arouca), Matheus Sales (Gabriel Jesus), Jean e Robinho (Régis); Dudu e Alecsandro
Técnico: Marcelo Oliveira

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz, Lucas Veríssimo, Gustavo Henrique e Zeca; Thiago Maia (Léo Cittadini) Renato, Lucas Lima e Serginho (Pato Rodríguez); Gabriel e Ricardo Oliveira (Joel)
Técnico: Dorival Júnior

COMO FOI O JOGO

  • Primeiro tempoMorno e equilibrado. Assim começou o jogo no Allianz Parque. Sem muito toque de bola e abusando dos longos lançamentos em direção ao ataque, o Palmeiras pouco criava. Pouco agressivo, o Santos - apesar de terminar a etapa com 62% de posse de bola - também não. E assim o duelo foi seguindo até o fim do primeiro tempo. Aos 37min, o único lance que realmente fez a torcida (alvinegra) levantar na arquibancada. Com espaço na entrada da área, Ricardo Oliveira chutou e Prass deu rebote, aproveitado por Gabigol, que completou para as redes. Mas o assistente marcou posição de impedimento do camisa 10. Foi único lance que chamou a atenção. De resto, só vontade, garra, mas pouca inspiração.
  • Segundo tempoO Santos voltou melhor do intervalo e criou duas grandes chances em menos de dez minutos. Mas dois erros do assistente - que marcou impedimento em dois lances - impediram que Ricardo Oliveira e Gabigol finalizassem com perigo à meta de Fernando Prass. Aos 13min, mais time da Vila. E mais uma ótima oportunidade, desta vez em posição legal. Mas Gabigol, cara a cara com Fernando Prass, tirou muito do goleiro e chutou para fora. Minutos depois, a forte chuva veio para dar um tempero a mais no jogo. Mas não atrapalhou o andamento do jogo, que seguiu com o Santos melhor. Aos 31min, após cruzamento preciso de Joel da esquerda, Gabigol até finalizou bem, no canto, mas Fernando Prass, com a ponta dos dedos, salvou o Palmeiras.

DESTAQUES

  • Meninos da VilaDo time titular do Santos que entrou em campo neste sábado, seis dos 11 jogadores são formados nas categorias de base: Gustavo Henrique, Lucas Veríssimo, Zeca, Thiago Maia, Serginho e Gabriel.
  • É campeão!Telão do Allianz Parque relembrou a conquista da Copa do Brasil do ano passado, justamente em cima do Santos, no mesmo estádio. A torcida recordou o momento e soltou o grito de 'é campeão!'.
  • ProvocaçãoA torcida do Palmeiras ainda não esqueceu as polêmicas de 2015 com Ricardo Oliveira. Alguns aficionados utilizaram as tradicionais máscaras com a cara do atacante para provocá-lo. O centroavante santista ainda se envolveu em confusão com Thiago Santos e revoltou a torcida no Allianz Parque.

Melhores

  • Zé Roberto, PalmeirasComeçou muito bem o jogo. Ótimas antecipadas na defesa e a mesma classe de sempre. Sofreu faltas perigosas pelo lado esquerdo e também foi boa opção no ataque.
  • Renato, SantosTomou conta do meio-campo. Com desarmes precisos e bons passes e lançamentos, fez a sua parte.

Piores

  • Alecsandro, PalmeirasAbusou da individualidade em alguns lances. Pouco acionado, não foi bem quando teve a chance de fazer algo. Ainda recebeu amarelo em lance infantil no fim do jogo.
  • Gabriel, SantosPoderia ter mudado a história do jogo. Perdeu três gols cara a cara com Fernando Prass.

UOL Cursos Online

Todos os cursos