Dorival sofre 'bombardeio' por utilizar atleta de que ele menos gosta

Samir Carvalho

Do UOL, em Santos (SP)

  • Divulgação/SantosFC

    Volante Alison perdeu espaço no Santos desde o retorno de Dorival Júnior ao clube

    Volante Alison perdeu espaço no Santos desde o retorno de Dorival Júnior ao clube

O técnico Dorival Júnior sofreu um 'bombardeio' de críticas da torcida (tanto no estádio, como nas redes sociais) por colocar Alison no lugar de Gabigol aos 36 minutos do segundo tempo do clássico contra o Palmeiras no último domingo, na Vila Belmiro.

O curioso é que o comandante santista foi criticado por escalar o jogador de que ele menos gosta do elenco – quando o assunto é qualidade técnica. Alison era uma espécie de "queridinho" dos antecessores de Dorival Júnior e sempre conquistou seu espaço de titular no Santos. Até a chegada de Dorival.

Neste ano, ele jogou oito (Bahia, Ponte Preta, Rio Claro, XV de Piracicaba, São Paulo, Ferroviária, Santos do Amapá e Palmeiras) dos 19 jogos do Santos. Quatro deles foram como titular e, a maioria, quando Dorival escalou um time alternativo, poupando seus principais jogadores.

Alison, inclusive, foi preterido por Dorival Júnior no clássico contra o São Paulo na fase de grupos do Paulista, quando o treinador escalou um time "misto" por causa da ausência de cinco atletas convocados para a seleção brasileira. Na ocasião, Dorival optou por improvisar o meia Léo Cittadini no setor.

O novo estilo do técnico Dorival Júnior, que tenta implantar a filosofia do "tiki taka", sistema caracterizado por manutenção da posse de bola por meio da troca de passes curtos, tem prejudicado Alison

O volante se destaca apenas pela marcação forte, mas deixa a desejar no quesito que mais agrada ao técnico em relação aos volantes – passes precisos e armação de jogadas.

Se o treinador não tem utilizado com frequência o atleta, a diretoria santista mostra acreditar na importância do volante. O clube paulista recuperou 70% dos direitos econômicos de Alison, que foram negociados com o BMG pela antiga diretoria em dezembro de 2014.

Na época, o então presidente Odílio Rodrigues cedeu a porcentagem do volante para pagar 1,5 milhão de euros (cerca de R$ 6 milhões) que devia ao banco. O clube realizou o empréstimo para pagar salários atrasados do elenco.

Recentemente, o presidente Modesto Roma pagou o valor devido ao BMG com a cotação da época, cerca de R$ 5 milhões, e recuperou os 70% dos direitos de Alison. Sendo pouco aproveitado, o Santos dificilmente negociará o atleta com outros clubes. No início deste ano, ele recebeu uma sondagem do Corinthians.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também:

UOL Cursos Online

Todos os cursos