Racha interno e protestos. Como Santos foi do "céu ao inferno" em sete dias

Do UOL, em São Paulo

  • Ivan Storti/Santos FC

    Na berlinda? Dorival é xingado e pressionado a dar resultado após derrotas seguidas

    Na berlinda? Dorival é xingado e pressionado a dar resultado após derrotas seguidas

Durou pouco a lua de mel do Santos com sua torcida em 2017. Antes considerado o mais bem montado entre os grandes paulistas, o Peixe agora convive com protestos, críticas a Lucas Lima e até pedido por demissão de Dorival Jr. Sete dias foram suficientes para a maré virar e mergulhar a equipe na má fase.

Há uma semana, o "mar estava para peixes". A tarefa do Red Bull no Pacaembu era encarada como missão impossível contra o Santos, que tinha vencido seus últimos 16 jogos no Pacaembu. Venceu também o 17º, é verdade, mas com um gol para lá de polêmico no último minuto. Na saída de campo, nenhum jogador falou com a imprensa. O motivo seria um protesto contra a demissão do então gerente de futebol Sergio Dimas.

Dimas cuidava da logística dos jogos fora de casa e auxiliava o superintendente Dagoberto dos Santos. O presidente Modesto Roma Júnior alegou que a demissão fazia parte de uma série de mudanças no departamento de futebol. Acontece que Sergio Dimas era a referência dos atletas, que o procuravam para resolver todo tipo de problemas, inclusive os antigos atrasos no pagamento dos salários.

Com a proximidade do clássico com o São Paulo, o elenco garantiu que o voto de silêncio foi consequência de um problema resolvido. Foi realizada uma reunião para tratar deste e de outros assuntos, exatamente para que a insatisfação dos jogadores não respingasse no jogo. Em campo, porém, deu São Paulo por 3 a 1.

O pós-jogo foi marcado pela fúria de alguns santistas, que chegaram a quebrar uma janela do vestiário da Vila Belmiro e cobraram maior empenho do meio Lucas Lima.

A cobrança direcionada foi considerada injusta internamente. Os números mostravam ser mais provável que o problema estivesse na defesa, afinal desde 2000 o Peixe não tomava tantos gols nas três rodadas iniciais do Paulistão. Ainda assim, a expectativa para o confronto com a Ferroviária, então segundo pior time do estadual, era boa. Dorival Jr. pretendia chegar à 100ª vitória no clube e deixar no passado a derrota no San-São.

Não foi bem o que aconteceu. O novo revés na Vila mostrou uma equipe sem criatividade e encaixotada pela marcação da Ferroviária. A má atuação bastou para torcedores vaiarem os minutos finais, xingarem Dorival Jr. de "burro" e mais uma vez protestarem na porta do vestiário. Para piorar, a estreia de Cleber, segunda contratação mais cara da temporada e tido como uma possível salvação para resolver o problema defensivo, acabou em expulsão após um passe errado dado pelo zagueiro.

Agora o discurso no Santos mudou, a preocupação é em recuperar a equipe. O presidente Modesto Roma Júnior decidiu que quer ter uma conversa com Dorival para dar respaldo ao elenco no primeiro momento delicado nesta temporada.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos