Trio de carrascos no Paulista custa mais de R$ 3 mi por ano ao Corinthians

Dassler Marques

Do UOL, em São Paulo

  • CÉLIO MESSIAS/ESTADÃO CONTEÚDO

    Alan Mineiro fez gol da vitória da Ferroviária: salários pagos pelo Corinthians

    Alan Mineiro fez gol da vitória da Ferroviária: salários pagos pelo Corinthians

A impossibilidade de bloquear o uso de jogadores emprestados faz o Corinthians sofrer em 2017. No último domingo, pela terceira vez no Campeonato Paulista, um atleta cedido pelo clube fez o goleiro Cássio de vítima: Alan Mineiro, no rebote de um pênalti, decretou a vitória da Ferroviária. 

Além dele, o garoto Claudinho, em Corinthians 0 x 2 Santo André, e o atacante Lucca, em Ponte Preta 1 x 1 Corinthians, também fizeram os próprios clubes de origem como vítima dentro desse Paulistão. O efeito na classificação do torneio é direto e "custou" 4 pontos à equipe de Fábio Carille. 

Juntos, os três jogadores custam mais de R$ 3 milhões por ano aos cofres do Corinthians, que se não bastasse ter emprestados possui ainda assim um elenco numeroso, com 40 atletas atualmente integrados no dia a dia. 

No caso de Alan Mineiro, a Ferroviária não arca com nenhum real para pagar os salários. Há pouco mais de um ano, o Corinthians pagou algo em torno de R$ 1 milhão para comprar o meia, que tinha direitos repartidos, justamente, entre Bragantino e a própria Ferroviária. 

Já no caso de Lucca, o Corinthians paga os valores excedentes ao teto salarial da Ponte Preta, que é de aproximadamente R$ 100 mil mensais - a equipe de Campinas também tem o zagueiro Yago, outro custeado pelos cofres corintianos e que jogou no confronto das duas equipes. Para adquirir Lucca há menos de um ano, o Corinthians também precisou fazer um aporte, que no caso foi de R$ 4,5 milhões aproximadamente. 

Adquirido depois do fim de seu contrato com o Santos, o garoto Claudinho, de 20 anos, selou a vitória do Santo André em Itaquera, na segunda rodada do Paulista. Os salários dele, que não foi aproveitado por Tite em 2016, são divididos entre Corinthians e a própria equipe do ABC. O vínculo firmado pelos corintianos com ele é válido até 2021. 

Considerado quase uma premissa durante a gestão Mário Gobbi, o bloqueio a jogadores emprestados para não enfrentarem o próprio clube foi barrado pela CBF no ano passado. Só em fevereiro, quando Claudinho, Lucca e Alan Mineiro já tinham sido cedidos, essa regra foi retirada de circulação pela entidade

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos