Corinthians vai do pior jogo à fé em Jadson na briga por vaga na semi

Dassler Marques

Do UOL, em São Paulo

  • Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians

    Jadson cresce de produção em momento decisivo do primeiro semestre

    Jadson cresce de produção em momento decisivo do primeiro semestre

A partida do Corinthians em Ribeirão Preto, há oito dias contra o Botafogo, gerou questionamentos sobre a real evolução da equipe, mas também virou estímulo: neste domingo, contra o mesmo adversário e agora em Itaquera, o treinador Fábio Carille tem indícios de que as coisas poderão ser diferentes, ao menos no que diz respeito ao desempenho. O Corinthians tenta não apenas vencer e se classificar, mas também convencer. 

Por um lugar na semifinal do Paulista, a partir das 16h (de Brasília), o time da casa precisará de qualquer resultado positivo para deixar o Botafogo pelo caminho, mas acredita que conseguirá isso com um melhor desempenho. Entre os fatores que levam a isso, individualmente, nenhum pode ser tão decisivo quanto Jadson.

Em seu segundo mês dentro de campo desde que voltou ao Corinthians, o meia deu sinais de evolução. Não apenas com gols contra Linense (29 de março) e Universidad de Chile (5 de abril), mas também com assistência, evolução física e ainda liberdade. Aos poucos, a presença de Jadson em diferentes setores do ataque, justamente como fazia em 2015, tem crescido. Com isso, aumentam também as chances do time criar mais e abrir espaços nas defesas rivais. 

O entrosamento, que Tite se habituou a chamar "jogar sem pensar" e Carille normalmente repete, também é outro fator ligado diretamente à evolução. O time considerado ideal pelo treinador, justamente o que vai a campo neste domingo, só foi escalado em dois confrontos de 2017: vitórias contra o Santos (1 a 0) e Luverdense (2 a 0). Na última sexta-feira, ele confirmou que é essa a escalação que quer colocar sempre que possível. 

Com todos à disposição, quem tem muito a ganhar é Maycon. Escalado pelo lado do campo em algumas partidas recentes, como em Ribeirão Preto, ele perde o efeito-surpresa que normalmente causa na área rival quando joga como volante e aparece para concluir. Nessa configuração, com Jadson pela direita e Rodriguinho na armação, o jovem meio-campista teve alguns de seus melhores momentos no ano. 

A Arena Corinthians e tudo o que ela oferece também são aliados por melhor futebol

A diferença de superfície no Estádio Santa Cruz foi fator que especificamente naquele dia também trouxe dificuldades. A grama seca e alta no Estádio Santa Cruz teve sua contribuição para o que Fábio Carille avaliou como principal problema para a atuação no 0 a 0: muitos erros de passe. Na Arena Corinthians, a expectativa é que o gramado que faz a bola correr mais rápida, e de forma mais regular, seja aliado dos corintianos. 

Esse não é o único fator relacionado ao mando de campo: com 30 mil ingressos vendidos, o Corinthians terá na Arena um de seus três melhores públicos da temporada. Nos jogos com alta ocupação, contra Santos e Palmeiras, a criação de jogadas funcionou melhor.

Diante dos santistas, apesar da vitória magra (1 a 0), a produção foi considerada por Carille como uma das mais interessantes. Já diante dos palmeirenses, enquanto teve 11 contra 11, o Corinthians também foi superior ao adversário. 

FICHA TÉCNICA
CORINTHIANS x BOTAFOGO-SP

Local: Arena Corinthians, em São Paulo (SP)
Data: 9 de abril de 2017 (domingo)
Horário: 16h (de Brasília)
Árbitro: Marcelo Aparecido Ribeiro de Souza (SP)
Assistentes: Tatiane Sacilotti dos Santos Camargo e Luiz Alberto Andrini Nogueira

CORINTHIANS: Cássio; Fagner, Balbuena, Pablo e Arana; Gabriel e Maycon; Jadson, Rodriguinho e Romero; Jô. Treinador: Fábio Carille.

BOTAFOGO-SP: Neneca; Samuel Santos, Matheus Mancini, Gualberto e Fernandinho; Bileu, Marcão Silva, Diego Pituca e Rafael Bastos; Francis e Marcão.. Treinador: Moacir Júnior. 

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos