Palmeiras vence por 1 a 0 com gol de Felipe Melo, mas Ponte está na final

Danilo Lavieri

Do UOL, em São Paulo

A torcida lotou o CT, o estádio, acompanhou a ida do ônibus e criou o clima de confiança para uma virada. Mas não adiantou. O Palmeiras pressionou, abusou dos cruzamentos, conseguiu vencer a Ponte Preta por 1 a 0, mas está eliminado do Paulista. O gol foi marcado por Felipe Melo. A final terá o time de Campinas encarando São Paulo ou Corinthians. 

Na primeira partida do mata-mata, o time da capital havia perdido por 3 a 0. Com uma formação diferente da que vinha usando, o Palmeiras foi para o tudo ou nada e encontrou dificuldades na marcação da Ponte. Por isso, usou e abusou das bolas aéreas, que só funcionou no lance do gol.


O adversário na decisão será conhecido após a partida entre Corinthians e São Paulo, neste domingo, a partir das 16h. O Alvinegro venceu o primeiro duelo por 2 a 0 e pode perder até por 1 a 0 que, ainda assim, garante a vaga na final. Essa será a primeira final da Macaca desde 2008. Na ocasião, a equipe de Campinas ficou com o vice após perder para o Palmeiras.

Mudança tática

Para surpreender o adversário, o treinador Eduardo Baptista promoveu uma mudança tática na equipe. Depois de atuar algumas vezes no 4-2-3-1, o Palmeiras começou a partida no 4-1-4-1. Desta maneira, Tchê Tchê avançou mais e Felipe Melo ficou sozinho no meio de campo. Já no ataque, Borja jogou isolado com a ausência de William, que estava no banco de reservas. 

Pressão 

Como precisava da vitória, o Palmeiras partiu para o ataque desde os primeiros instantes. A equipe sufocou o adversário, porém, tinha dificuldade para concluir no gol de Aranha. A Ponte Preta, por sua vez, aproveitava os contragolpes. Aos 13 minutos, por exemplo, Pottker quase abriu o placar. Lucca tocou para o atacante, que passou por Egídio e chutou. Fernando Prass só acompanhou.

Mano a mano

Marcello Zambrana/AGIF
Felipe Melo recebe o cartão amarelo

Felipe Melo travou uma disputa com Pottker. Para evitar o confronto do atacante com a zaga alviverde, o volante fez uma marcação quase individual no adversário. Aliás, por conta desse duelo, o palmeirense levou um drible e derrubou o rival com um carrinho aos quatro minutos. Por causa dessa falta, o meio campista recebeu o cartão amarelo. Como foi a terceira advertência do jogador na competição, Felipe Melo estaria fora da final se o Palmeiras tivesse garantido a classificação. 

Não valeu

A torcida do Palmeiras até chegou a comemorar o gol durante o primeiro tempo, mas a alegria durou pouco. Aos 30 minutos, Dudu recebeu a bola na área e chutou para o fundo das redes de Aranha. Porém, o árbitro anulou ao anotar impedimento do atacante palmeirense. Por outro lado, pouco depois, Borja foi derrubado na área e a torcida pediu pênalti. O juiz mandou o jogo seguir.

Sem alterações

Os técnicos não mexeram na escalação no início do segundo tempo. O Palmeiras seguiu em busca do gol, enquanto a Ponte se defendia e apostava nos contra-ataques. A melhor chance nos primeiros dez minutos saiu da cabeça de Edu Dracena. Egídio cruzou e o zagueiro mandou por cima do gol de Aranha.

Nervosismo

Com o passar do tempo, o Palmeiras começou a ter mais dificuldade para chegar ao gol. A equipe parecia nervosa e deu mais espaço para o adversário. A Ponte, principalmente com Pottker e Lucca, levou perigo algumas vezes ao gol de Fernando Prass no fim da partida.

 

Sempre eu?

Para tentar dar mais força na equipe, Eduardo Baptista promoveu alterações no decorrer da etapa final. O treinador colocou Michel Bastos no lugar de Tchê Tchê; Willian na vaga de Borja e Keno na posição de Egídio. O atacante colombiano ficou chateado ao ser substituído. Vaiado por parte do estádio, ele chutou um copo e perguntou: "Sempre eu?". 

Agora valeu

O Palmeiras conseguiu fazer o seu aos 37 minutos do segundo tempo, com Felipe Melo. Michel Bastos cobrou o escanteio, Aranha falhou e o volante completou de barriga. 


Melhor: Felipe Melo. O volante fez marcação individual bem sucedida em Potker e ainda foi bem na hora de lançar os companheiros ao ataque com passes à distância. 

Pior: Borja. O atacante praticamente não apareceu e na hora em que a bola chegava ele não correspondia. Aos 20 minutos do segundo tempo, ainda ouviu a torcida palmeirense gritando pela entrada de Willian. 
 

FICHA TÉCNICA

PALMEIRAS 1 X 0 PONTE PRETA

Campeonato Paulista - semifinal
Data:
22 de abril (sábado)
Local: Allianz Parque, em São Paulo (SP)
Árbitro: Raphael Claus
Auxiliares: Bruno Salgado Rizo e Salim Fende Chavez
Público e renda: 39.086 e R$ 2.912.614,52
Cartões amarelos: Felipe Melo, Dudu e Guerra (Palmeiras); Marllon, Fernando Bob (Ponte Preta)
Gol: Felipe Melo aos 37 minutos do 2º tempo
PALMEIRAS: Fernando Prass; Jean, Mina, Dracena e Egídio (Keno); Felipe Melo; Tchê Tchê (Michel Bastos), Guerra, Roger Guedes e Dudu; Borja (Willian). Técnico: Eduardo Baptista.

PONTE PRETA: Aranha; Jerferson (Naldo), Marllon, Yago e Artur; Fernando Bob, Elton e Jádson (Wendel); Clayson (Lins), Lucca e Pottker Técnico: Gilson Kleina

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos