Em gramado ruim, Ponte Preta e Palmeiras não saem do zero em Campinas

Do UOL, em São Paulo

Não foi muito atrativo o empate sem gols entre Ponte Preta e Palmeiras neste domingo (18), no Moisés Lucarelli. O 0 a 0 foi marcado pelo mau estado do campo que, castigado pela chuva, dificultou muito as ações ofensivas das duas equipes.

O empate é muito mais confortável para o Palmeiras, que lidera o grupo C do Estadual com 20 pontos e ainda não sabe o que é perder em 2018. No sábado (24) a boa fase será mais uma vez colocada à prova, desta vez em clássico contra o Corinthians, em Itaquera. Já a Ponte Preta vai aos dez pontos e só fica atrás do São Paulo na chave B por ter uma vitória a menos — na rodada que vem a Macaca visita o Mirassol.

Quem foi bem: Jailson é seguro mais uma vez

Há mais de 500 dias sem perder, o goleiro palmeirense foi seguro novamente e respondeu bem sempre que acionado. Fez boas defesas nos chutes longos da Ponte Preta e ainda contou com a sorte quando um arremate de Orinho beliscou a trave no segundo tempo. Do lado pontepretano, é justamente o lateral quem merece destaque.

Quem foi mal: Guerra perde dois gols no mesmo lance

Ale Cabral/AGIF

O setor do venezuelano era uma das pouquíssimas faixas de campo em que a bola rolava no primeiro tempo, mas nem assim Guerra conseguiu criar. No segundo tempo, desperdiçou duas chances de abrir o placar: conseguiu um desarme e partiu livre, mas acabou parado pelo goleiro Ivan; depois, no rebote, ficou inexplicavelmente na trave. Acabou trocado por Keno.

Poças d'água proíbem equipes de arriscar

O gramado encharcado influenciou bastante nas decisões de Ponte Preta e Palmeiras, principalmente no início. O abuso de chutões e lançamentos tornou o duelo pouco criativo e bastante físico. A aposta mais ofensiva foi o chute longo: foi da ponta esquerda que o pontepretano Orinho arriscou de longe e testou Jaílson. Em seguida, um cruzamento de Lucas Lima quase terminou em lambança: o goleiro Ivan trombou com o lateral Emerson, e a dupla deixou a bola viva dentro da área (confira no vídeo acima).

Ponte Preta desperdiça a melhor chance

A dona da casa poderia ter saído na frente logo aos dois minutos, mas Léo Artur foi traído pelo gramado e se precipitou. Foi a melhor oportunidade do primeiro tempo, no qual a Ponte seria ligeiramente melhor sem no entanto conseguir subjugar o Palmeiras.

Palmeiras fica limitado pelo gramado e não cria

Exceção feita a um chute longo de Tchê Tchê, o Palmeiras foi inofensivo durante todo o primeiro tempo. Parte da culpa é do solo: o setor esquerdo do ataque alviverde estava encharcado, deixando Michel Bastos e Dudu ilhados. O time só conseguia trabalhar pelo chão na ponta oposta, onde Guerra e Lucas Lima não conseguiram combinar para muita coisa.

Troca de lado beneficia o Palmeiras

Após o intervalo, o time de Roger Machado voltou diferente. Não só pela troca de Michel Bastos por Victor Luis na lateral, mas também pela simples troca de lado. O campo mais seco deu ao time a possibilidade de triangular, o que aconteceu entre Lucas Lima e Dudu pela esquerda, por exemplo. O camisa 7 fez ótimo lance individual aos 24 minutos, mas bateu errado. Depois, foi acionado por Lucas Lima em boa jogada e desperdiçou.

Macaca responde com chutes de longe

Sem a mesma aptidão para as infiltrações, a Ponte Preta preferiu arriscar da intermediária. Felippe Cardoso teve uma finalização desviada por Thiago Martins em lance que quase abriu o placar; depois, Orinhos acertou a trave de Jailson. Mas as investidas pontepretanas tinham muito mais de vontade que de estratégia. O time tentou pressionar até os acréscimos, mas com pouca eficácia.

Gramado encharcado foi 'furado' antes do jogo

Ale Cabral/AGIF

A forte chuva que caiu em Campinas criou diversas poças d'água no Moisés Lucarelli. O campo chegou a estar impraticável durante a tarde, mas melhorou após um funcionário da Ponte usar um pedaço de ferro para furar a grama e ajudar a drenar a água. Ainda assim, o acúmulo de água atrapalhou a troca de passes em vários momentos do jogo.

Ficha Técnica

Ponte Preta 0 x 0 Palmeiras

Local: Estádio Moisés Lucarelli, Campinas-SP
Data: 18 de fevereiro de 2018
Horário: 19h30 (de Brasília)
Público: 3.401 presentes
Renda: R$ 56.810
Árbitro: Vinicius Gonçalves Dias Araujo
Assistentes: Miguel Cataneo Ribeiro da Costa e Vitor Carmona Metestaine
Cartões Amarelos: Felippe Cardoso, João Vitor e Marciel (Ponte Preta); Michel Bastos e Antônio Carlos (Palmeiras)
Cartão Vermelho: não houve

Ponte Preta: Ivan, Emerson, Renan Fonseca, Luan Peres e Orinho; João Vitor (Ronaldo), Jeferson e Marciel; Felipe Saraiva (Daniel), Léo Artur (Gabriel Vasconcelos) e Felippe Cardoso. Treinador: Eduardo Baptista.

Palmeiras: Jailson, Marcos Rocha, Antônio Carlos, Thiago Martins e Michel Bastos (Victor Luís); Thiago Santos, Tchê Tchê, Lucas Lima (Bruno Henrique) e Guerra (Keno); Dudu e Willian. Treinador: Roger Machado.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos