Carille vê empate justo e prevê experiências em próximos jogos

Dassler Marques

Do UOL, em São Paulo

  • Daniel Vorley/AGIF

Na avaliação do treinador Fábio Carille, o empate por 1 a 1 entre Santos e Corinthians neste domingo (4) foi justo pelo desempenho dos dois times. Depois do clássico no Pacaembu, Carille comentou sobre a evolução da equipe corintiana sob nova proposta de formação e previu experiências em uma das próximas duas partidas – Mirassol, quarta em São Paulo, e Botafogo, no domingo, no interior.

"Foi justo. Pela postura do Santos no segundo tempo, de buscar...mesmo assim tivemos chances de fazer gol lá. É gostoso quando você passa a ideia, eles compram e dá resultado. Jogamos com dois jogadores agudos do lado e dois flutuando por dentro. Contra o Palmeiras, teve posse maior e tem controle. É bom quando se fica com a bola e pode encontrar um passe decisivo. Para mim foi justo o resultado", comentou Carille.

"Ainda não pensamos nisso. Tenho reunião amanhã cedo [segunda] com a comissão e diretoria para vermos o melhor caminho. Sei da sequência, é bem provável que faça mudanças, sim, mas ainda não sei em qual dos dois jogos", citou Carille. As estreias de Sidcley e Ralf são as alternativas mais cogitadas, por enquanto, pelo treinador.

Carille ainda fez avaliação sobre a pausa de quase uma hora por falta de energia. "No apagão, é para as duas equipes. Não vejo nada que possa ter nos atrapalhado, Nosso primeiro tempo foi melhor. Nos primeiros minutos do segundo, o Santos foi melhor. Depois, equilibramos, mas não conseguimos finalizar com Jadson, Rodriguinho e Dutra. Depois, fomos penalizados. Mas, gostei muito do nível do jogo, a forma como respondemos, gostei bastante", avaliou.

Confira mais declarações de Carille:

Renê Júnior em destaque
A gente acompanha desde a Ponte. Tentamos uma época, mas ele foi para o Santos. Sei das qualidades dele, acredito que ele possa ser melhor do que é. Ele perdeu um pouquinho a pré-temporada, e a gente está muito satisfeito com esse jogador. Sabemos o quanto ele pode render.

Falta de centroavante. Não lamenta
Sei o quanto a diretoria brigou para trazer um 9. Brigou, mas não conseguiu. A partir do momento que eu vi que não vinha, a gente passou a buscar uma nova formação. Contra o Palmeiras, tivemos 90 minutos de muita concentração. Hoje, fizemos um primeiro tempo muito bom, e boa parte do segundo também. Em cima disso, a gente passa a trabalhar agora.

Sistema tático novo
Não tenho que lamentar e pensar nisso. Foi assim na Libertadores 2012 [com Danilo e Alex, sem centroavante]. Tenho que trabalhar com os que tenho, e a resposta essa semana foi muito boa. Não tem muito o que eu colocar. Emerson, Dutra e Lucca podem fazer na frente não sendo um nove de ofício. É trabalhar com isso e não ficar pensando. A diretoria tentou demais, mas não conseguiu. 

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos