Clássico das defesas: Simeone inspira Jair Ventura e é parâmetro de Carille

Dassler Marques e Samir Carvalho

Do UOL, em São Paulo e em Santos

  • Ivan Storti/Santos FC

    Santos, de Jair Ventura, recebe o Corinthians no Pacaembu

    Santos, de Jair Ventura, recebe o Corinthians no Pacaembu

Santos e Corinthians, que se enfrentam neste domingo (4), no Pacaembu, estão entre as equipes com os melhores números defensivos do Campeonato Paulista. Não se trata, mesmo, de uma simples obra do acaso, mas fruto dos conceitos dos treinadores Jair Ventura e Fábio Carille. 

Com sete gols sofridos em nove rodadas da competição, santistas e corintianos se habituaram a ter equipes com defesas bem organizadas, muito protegidas e como parte importante da estratégia de suas equipes. Algo que liga Jair e Carille a um treinador que a Europa se habituou a reconhecer como referência quando se defender é o tema em pauta: Diego Simeone.  

As ligações de Jair e Carille ao treinador argentino são diferentes. A relação do santista, por exemplo, é mais forte e constantemente mencionada desde o Botafogo, em que teve destaque justamente com uma defesa forte. Fábio, por sua vez, já relacionou o desempenho defensivo do Corinthians ao do Atlético de Madrid de Simeone. 

Por tradição, Jair evita discurso pró-defesa. Mas já jogou a la Simeone

Reuters / Michael Dalder Livepic
Simeone dirige o Atlético de Madrid desde 2011

Jair prioriza o sistema defensivo e não esconde de ninguém que se espelha em Simeone. O argentino enfrenta os grandes europeus com uma equipe muito organizada e compacta, que baseia suas ações ofensivas em reações aos ataques do rival. Tudo isso é que Jair mostrou em sua carreira até o momento e, inclusive, nos jogos mais importantes do Santos na temporada. 

No recente clássico contra o São Paulo, em que venceu por 1 a 0 no Morumbi, Jair priorizou a "marcação baixa", com as linhas de defesa e meio-campo próximas de Vanderlei. Nesse jogo, Gabigol e Sasha, em velocidade, foram as armas de contra-ataque. Uma das explicações para a estratégia de Jair é a lentidão do meio santista, hoje formado por Alison, Renato e Vecchio.

Jair evita falar sobre esse conceito de jogo defensivo em entrevistas, pois sabe que a torcida santista cobra um jogo ofensivo, ligado à história do clube. No Botafogo, em que trabalhava com orçamento mais baixo, as menções ao argentino eram constantes. "Lá fora meu espelho é o Simeone. Sem grandes estrelas, ele venceu Real Madrid, Barcelona e Bayern de Munique. O poder de persuasão dele é impressionante. Ninguém gosta de correr, o jogador prefere estar com a bola. Convencê-los a jogar sem ela nunca é fácil", declarou ao blog do André Rocha em 2017

Já na apresentação pelo Santos, o treinador mostrou discurso diferente. "Se eu tiver jogadores com características mais defensivas, vou ser defensivo. Se contasse com jogadores mais ofensivos [no Botafogo] teria dado outro exemplo que não fosse o Simeone. Lógico que conheço a história do Santos. Seremos super ofensivos, mas não vamos perder a competitividade, a organização, o jogo coletivo. Vamos ser, mas organizados, táticos e intensos", afirmou Jair. 

Com o melhor ataque do Paulista ao lado do Palmeiras, e a segunda melhor defesa junto do Corinthians, Jair deve manter a "receita" no clássico contra o Corinthians (4-1-4-1 e contra-ataques), mesma postura santista nos clássicos de 2018 (derrota para o Palmeiras e vitória contra o SP). Até mesmo em duelos contra times de menores, como Linense e Ponte Preta, ele preferiu fechar o time e jogar de maneira reativa. 

Carille tem Atlético de Madrid como referência em desempenho defensivo

Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians
Corinthians de Carille no quadro: disposto no novo sistema 4-2-4

Lateral esquerdo durante boa parte da carreira como jogador, e zagueiro nos últimos anos dela, Carille levou essa experiência para o trabalho como treinador. Os companheiros com quem jogou, normalmente, se referem a ele como um lateral de rara consciência defensiva naqueles tempos. Os conceitos sobre se jogar com segurança, afirmados desde muito cedo, são colocados em prática no Corinthians. 

Fábio chamou a atenção quando levou uma estatística para entrevista coletiva em junho do ano passado. Na época, citou o Atlético de Madrid, além da Juventus, para exaltar os números defensivos do Corinthians na ocasião. Especificamente, um dado sobre a quantidade de partidas disputadas sem gols sofridos por sua equipe. 

"Não sei se tem alguém no mundo que conseguiu algo assim por aqui, isso é coisa de Atlético de Madrid e Juventus, mas no Brasil...", declarou Carille. 

Com um desempenho de destaque nos clássicos, o treinador do Corinthians tem na força de sua defesa um ponto fundamental. Dos 13 duelos disputados contra rivais, Carille viu os corintianos passarem seis sem sofrer gol.

Depois de alguns problemas com a presença de Juninho Capixaba na lateral esquerda, ele estabilizou o setor com a recente promoção de Maycon à equipe titular. Com um novo esquema tático, sem centroavante e que tem sido chamado de 4-2-4, o Corinthians jogou contra Palmeiras e Millonarios e não sofreu gol. 

O que os amigos Jair e Carille falam um do outro

"Já enfrentei o Carille algumas vezes. É um contemporâneo. Minha história é muito parecida com a dele. Ele ficou nove anos de auxiliar, eu também. Nós esperamos o nosso momento, fomos interinos diversas vezes antes de sermos efetivados, então é sempre bom encontrá-lo. É um cara que estuda bastante. A gente troca bastante (informações), a gente se fala. Torço por ele, mas agora no clássico é cada um defendendo o seu lado", disse Jair. 

"Eu tenho muito respeito pelo Jair. Temos uma proximidade e de vez em quando conversamos. Hoje, no futebol, se não estudar você fica para trás. São detalhes. Imagens estão aí para nos acrescentar cada vez mais. Do mesmo jeito que trabalhamos com isso, o adversário também trabalha. Não tem mais surpresa. Pode ter em um posicionamento ou outro... Será um prazer jogar contra o Jair e o Santos. Será um grande clássico, que o vencedor faça por merecer", falou Carille na última quarta. 

Ficha Técnica
SANTOS x CORINTHIANS

Data e horário: 04/03/2018, às 17h
Local: Estádio do Pacaembu, em São Paulo-SP
Árbitro: Luiz Flávio de Oliveira
Auxiliares: Tatiane Sacilotti dos Santos Camargo e Evandro de Melo Lima 

Santos: Vanderlei; Daniel Guedes, Lucas Veríssimo, David Braz e Jean Mota; Alison; Arthur Gomes, Vecchio, Renato e Copete; Eduardo Sasha.
Treinador: Jair Ventura. 

Corinthians: Cássio; Fagner, Balbuena, Henrique e Maycon; Gabriel e Renê Júnior; Romero, Jadson, Rodriguinho e Clayson. Treinador: Fábio Carille. 

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos