Jair diz que Jaílson foi 'camisa 10' e cutuca: "pior que não ia nem jogar"

José Eduardo Martins

Do UOL, em São Paulo

Jaílson foi o grande nome da primeira semifinal do Campeonato Paulista entre Palmeiras e Santos, disputada na noite deste sábado (24), no Pacaembu. Com pelo menos quatro grandes defesas, o goleiro segurou o placar de 1 a 0 construído ainda no começo do jogo por William. Em entrevista coletiva pós-jogo, o técnico Jair Ventura elogiou o que chamou de 'camisa 10' do Palmeiras, mas recordou que, a princípio, Jaílson não deveria jogar.

O goleiro palmeirense só foi a campo graças a um efeito suspensivo conseguido pela diretoria do Palmeiras. Ele foi punido por conta da expulsão no clássico contra o Corinthians.

"Pior que ele não ia nem jogar, não sei o que aconteceu", cutucou Jair Ventura, para depois encher o goleiro palmeirense de elogios. "Um goleiro que vive um momento fantástico. Ele realmente foi o jogador diferente, foi o camisa 10, foi decisivo. Hoje a bola não entrou. Parabéns para o Jaílson, mas chega, né? Que no próximo jogo... Chega, né?", brincou o treinador.

Jair Ventura lamentou as diversas chances perdidas pelo Santos e disse que o time precisará ser mais efetivo na segunda partida caso queira chegar à decisão do Paulistão.

"Quando a gente fala que o goleiro adversário faz milagres, não tem como dizer que o Santos não criou. A gente criou, tivemos mais chances claras. O Vanderlei fez uma defesa só, de falta. A gente tem que ser mais efetivo nas finalizações para que a gente possa empatar e depois reverter. Ainda bem que é a diferença mínima", acrescentou o treinador.

"Não fazer o gol, me incomodou. É mais mérito do Jaílson, do que demérito dos nossos atacantes. Fiquei incomodado pelos números de chances que criamos. Pelas oportunidades que foram apresentadas, infelizmente, não conseguimos vencer", completou.

O Palmeiras agora joga pelo empate na terça-feira (27), às 20h30, novamente no Pacaembu, para avançar à grande decisão do Paulistão. Já o Santos precisa vencer por um gol de diferença para levar o duelo para os pênaltis – e de um triunfo por dois gols para se classificar.

Outros trechos da coletiva:

Mudança de atitude no segundo tempo

Ficou evidente a mudança de atitude. Não fiz nenhuma mudança no intervalo e a mesma equipe que iniciou o jogo começou o segundo tempo com outra postura. Que a gente possa começar o jogo como terminamos no primeiro tempo. No primeiro tempo a gente teve um pouco de receio, com dificuldade de sustentar a bola no ataque, o Palmeiras fez marcação muito forte no nosso campo defensivo.

Equipe jovem faz diferença?

Não faz. A equipe do Santos sempre foi assim. Temos que ser competitivos e igualarmos os orçamentos feitos de outras equipes. Se você olhar o investimento e olhar o futebol apresentado. No primeiro tempo, o Palmeiras foi melhor. O nosso segundo tempo foi melhor. Fazendo um comparativo, que foi melhor em cada tempo?

Não se arrepende de ter escalado Diogo Vitor

O Diogo Vitor... Você assistiu ao último jogo? Por isso ele iniciou. Hoje ele iniciou bem e teve a chance dele. Hoje a gente mudou. Quem jogar melhor vai buscando a posição no próximo jogo. Como ele entrou tão bem, ele saiu jogando hoje.

Tempos distintos e seleção brasileira

Eu assisti ao jogo da seleção... Cobramos muito a equipe do Tite pelo primeiro tempo. Não é combinado: 'vamos fazer um primeiro tempo ruim, e melhor no segundo'. Temos que buscar um equilíbrio, porém temos do outro lado uma equipe qualificada. Não adianta fazer um segundo tempo como fizemos, se não botar a bolinha para dentro.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos