Versão "paz e amor" desaba, e F. Melo volta a ser ausência em hora decisiva

Diego Salgado e Leandro Miranda

Do UOL, em São Paulo

Um dos destaques do Palmeiras na temporada, Felipe Melo vinha chamando atenção em 2018 não apenas pelas qualidades técnicas que sempre mostrou, mas também por uma postura mais comedida dentro e fora de campo. Só que a versão "paz e amor" do volante, sem polêmicas nem lances violentos, desabou no jogo de ida da final do Campeonato Paulista. Expulso por confusão com Clayson na vitória sobre o Corinthians por 1 a 0, o camisa 30 não poderá estar em campo na partida que pode decidir seu primeiro título vestindo verde.

Essa é a segunda vez que Felipe desfalcará o Palmeiras em um momento decisivo por causa do seu lado temperamental. No ano passado, em jogo da Libertadores contra o Peñarol, deu um soco em Matias Mier e acabou suspenso por seis jogos. Peça importante do time, ele não esteve em campo no jogo de ida das oitavas contra o Barcelona de Guayaquil, que acabou em derrota por 1 a 0. Na volta, com a pena reduzida para três partidas, até poderia jogar, mas a briga com o técnico Cuca já o havia tirado da equipe.

A briga com Clayson é um ponto fora da curva em uma temporada que vem sendo positiva para o volante. Apesar de a torcida do Palmeiras exaltar o "Pitbull" também pelos lances mais viris em campo, Felipe vinha chamando atenção muito mais pela técnica. Seus lançamentos e inversões de jogo criam muitas chances de perigo no ataque, e sua calma com a bola no pé facilita a saída alviverde.

As declarações fortes também ficaram em segundo plano em 2018. O jogador vinha dizendo que, neste ano, preferiu falar menos de cabeça quente e deixar para extravasar mais em casa, "tomando um vinhozinho".

A velha rivalidade com Clayson, porém, derrubou esse novo Felipe Melo na Arena Corinthians. Os dois já vinham se estranhando desde o ano passado e se envolveram em confusão em novembro, quando o time alvinegro venceu por 3 a 2 no Brasileirão. Desta vez, antes da final, sequer se cumprimentaram. E quando um empurra-empurra se instalou no final do primeiro tempo, Clayson fez menção de agredir Felipe, que deixou a mão no rosto do adversário. Ambos foram expulsos.

Depois do jogo, tanto o próprio Felipe Melo quanto o técnico Roger Machado e o diretor de futebol Alexandre Mattos consideraram a expulsão do palmeirense exagerada e afirmaram que ele apenas se defendeu. Já Clayson chamou o palmeirense de "covarde".

Agora, sem um dos pilares da equipe, Roger Machado terá que quebrar a cabeça para achar o substituto de Felipe Melo para a finalíssima do próximo domingo (8), no Allianz Parque. As principais opções são Thiago Santos, um jogador de mais marcação, mas técnica limitada, e Moisés, que oferece a qualidade de passe do titular, mas ainda não fez um jogo completo na temporada.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos