Três anos depois de empurrar juiz, Paulistão pode consagrar Dudu como líder

Danilo Lavieri e Leandro Miranda

Do UOL, em São Paulo

  • Marcello Zambrana/AGIF

    Dudu ergue a taça de campeão brasileiro ao lado presidente Paulo Nobre

    Dudu ergue a taça de campeão brasileiro ao lado presidente Paulo Nobre

O título do Paulista deste domingo tem papel importante na consagração de Dudu como um dos ídolos do Palmeiras. Há três anos, em uma final de Paulistão em seu primeiro semestre como jogador alviverde, ele empurrou o árbitro Guilherme Ceretta e ficou marcado pelo temperamento explosivo que comprometeu o time na ocasião. Hoje capitão, o atacante pode levantar o seu segundo troféu em casa e cravar a volta por cima após o início cercado de dúvidas. 

Se superar o Corinthians na final que começa às 16h deste domingo (8), no Allianz Parque, o camisa 7 poderá aumentar a sua galera de fotos em casa com uma conquista tratada com importância superior até aos jogos da Libertadores. Há 10 anos o Alviverde não vence o Estadual. Há 19 não encontrava seu rival na decisão.

Antes, ele já havia posado com o troféu do Campeonato Brasileiro de 2016. Foi neste torneio, aliás, que ele se solidificou com um dos atletas mais importantes do elenco. Na trajetória para o enea, ele ganhou a faixa de capitão das mãos de Cuca como forma de confiança.

Dias antes, ele havia entrado em rota de colisão com o treinador por não concordar com o sistema de marcação pedido pelo treinador. Depois de uma conversa que envolveu a participação da diretoria, o atacante se comprometeu a melhorar seu comportamento e cumpriu a promessa.

Ainda antes, em 2015, Dudu mostrou destempero ao empurrar o árbitro Guilherme Ceretta na final do Paulista daquela temporada após a derrota para o Santos. Pressionado por ter sido a grande contratação da janela e símbolo da transformação da atuação palmeirense no mercado da bola, o camisa 7 viu sua capacidade para atuar no Palmeiras questionada.

Ainda naquele ano, ensaiou uma reação ao ser um dos destaques do time na conquista da Copa do Brasil, novamente contra o Santos. O capitão do dia, no entanto, era Zé Roberto, que levantou o troféu.

O eventual título do Estadual vem em momento importante para Dudu. No início do ano, ele recusou uma proposta para ganhar quatro vezes mais no futebol chinês. Na coletiva de anúncio, prometeu buscar o cargo de ídolo e, recentemente, conseguiu uma renovação contratual com aumento de salário.

O jogo ainda dará ao atacante mais um recorde: ao lado de Fernando Prass, ele se tornará o atleta que mais atuou na história do Allianz Parque, com 80 jogos. Ele já é o maior artilheiro da nova casa do clube alviverde, com 23 gols, o principal garçom, com 21 passes decisivos, e o jogador com mais vitórias, com 59 triunfos.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos