Topo

Esporte


Boicote do Palmeiras muda roteiro, esvazia festa da FPF e irrita rivais

Alexandre Battibugli/FPF
Reinaldo Carneiro Bastos, presidente da FPF, discursou na festa Imagem: Alexandre Battibugli/FPF

Danilo Lavieri e Dassler Marques

Do UOL, em São Paulo

10/04/2018 04h00

A decisão do Palmeiras de não comparecer à festa de premiação da Federação Paulista de Futebol na noite da última segunda-feira conseguiu tumultuar o evento e forçou uma mudança no roteiro do anúncio dos atletas que integraram a seleção do campeonato.

Originalmente, cada escolhido seria chamado para o palco para receber um troféu e dar o seu pronunciamento. Como oito dos 11 do time, o técnico Roger Machado, o craque da galera, o craque do Paulistão e o artilheiro eram do Palmeiras, a solução foi apenas fazer o anúncio pelo telão e mandar os prêmios na mesa de cada um dos presentes.

A decisão irritou os rivais presentes na celebração, especialmente os corintianos. Rodriguinho, por exemplo, reclamou das escolhas na zona mista, na entrada do evento, e não escondeu a sua insatisfação quando Jailson foi escolhido como craque da competição

No início da festa, os rumores davam conta de que Dudu havia sido o escolhido para melhor jogador do Paulista, e Rodriguinho ficou contrariado. "Quem está aí para decidir [jornalistas], decidiu da forma que quis. Estou aqui para jogar futebol, não tenho nada para falar", citou. Já quando Jaílson foi anunciado, o corintiano fez gestos irônicos para os membros do clube presentes à cerimônia. 

"Para eles , de repente Paulistinha não é importante. Para nós é importante e a gente fica feliz. Faz tempo que eles não ganham e a gente já ganhou dois", provocou ainda sobre os rivais do Palmeiras. 

Já Fábio Carille, perguntado sobre a escolha de Roger Machado como melhor treinador, deu risada e brincou: "será que não fui eu?". Na sequência, disse não haver problemas e elogiou o colega: "o Palmeiras teve a maior pontuação do Paulista, não é porque não foi campeão que se exclui o trabalho", lembrou. 

Alexandre Battibugli/FPF
Corinthians comemora o título paulista em festa da FPF Imagem: Alexandre Battibugli/FPF

Entre os corintianos, aliás, apenas ele e Balbuena foram ao local e representaram o clube ao lado dos diretores na hora de receber o troféu do Paulistão. Depois, Jorge Kalil, diretor adjunto de futebol, pegou o microfone para cantar "é sangue no olho, é tapa na orelha", mas foi repreendido por Andrés Sanchez. Como os palmeirenses não foram ao evento, podem nem receber o troféu.

A ausência dos alviverdes na festa da FPF foi o primeiro dos atos de rompimento do Palmeiras com a entidade que comanda o futebol paulista após a polêmica arbitragem na final do Paulistão. Na ocasião, um pênalti marcado em cima de Dudu foi cancelado.

Enquanto a festa rolava, inclusive, o Palmeiras divulgou um manifesto fazendo exigências para Reinaldo Carneiro Bastos e disse estar rompido com a entidade até que a lista de pedidos seja atendida.

O único representante do Palmeiras que foi ao evento na Barra Funda foi o conselheiro Americo Calandriello Júnior, que é vice-presidente de relações institucionais da FPF. Há um movimento entre conselheiros para que todos entreguem seu cargo. Isso, no entanto, não deve acontecer.

Mais Esporte