Sem dormir desde o título, Carille admite ainda buscar tática ideal

Do UOL, em São Paulo

Fábio Carille é um dos protagonistas do título paulista do Corinthians nesta temporada. O treinador conseguiu montar um time alternativo ao do ano passado, respondendo como possível às perdas de peças importantes e ganhou ainda mais prestígio com a torcida alvinegra. Ele diz que a ficha ainda não caiu, explica as diferenças entre a equipe deste ano quanto a de 2017 e opina sobre os clássicos de torcida única.

"Muito feliz por tudo, e o torcedor também, né. Nestes dias não dá para sair para lugar nenhum que já vem o carinho", relata o treinador, que já tem três títulos no currículo de 16 meses. "Parece que aqui dentro a ficha ainda não caiu. Até escutei de alguns amigos 'daqui uma semana você vai entender o que foi isso'. Estou sem dormir desde o jogo, três noites em claro, pensando no que está acontecendo", diz.

Carille foi campeão paulista e brasileiro no ano passado, em uma realidade diferente da que vive nesta temporada. As dificuldades, principalmente, são fruto de contextos diversos. Se antes o desafio era construir um time, desta vez é remontá-lo, criar alternativas.

"Neste ano, muitas dificuldades, não consegui montar taticamente. Uma hora com dois jogadores de velocidade mais dois meias por dentro; ou neste jogo com o Palmeiras com três meias em campo (Mateus Vital, Rodriguinho e Jadson). Ainda estamos buscando", admite o técnico corintiano, que já não tem um modelo de jogo preferido.

"Trabalhamos muito de acordo com o adversário, jogo a jogo. Totalmente diferente do ano passado, em que a gente não olhava muito o adversário. Assim temos uma consistência defensiva melhor, mas falta um pouquinho de entrosamento", pondera Fábio Carille.

O mais recente título do técnico veio no último domingo (8), quando o Corinthians venceu o Palmeiras no tempo normal e nos pênaltis, no Allianz Parque. Não havia um torcedor alvinegro sequer no estádio, por serem visitantes, como determina o Ministério Público em clássicos entre os grandes do estado.

"É muito ruim ir para um jogo e não ter torcida. Isso vale para qualquer time, qualquer torcedor. Por outro lado, a gente vê que tem diminuído a violência", pondera Carille, que acredita no retorno dos estádios divididos. "Tomara que nossas autoridades mudem as leis, e que a gente consiga outra vez fazer jogos com duas torcidas. Se na Inglaterra conseguiu mudar, onde era um dos piores lugares, por que no Brasil não?", projeta.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos