Diego Souza busca primeiro título pelo Sport; Salgueiro mira feito inédito

Roberto Oliveira

Colaboração para o UOL, em Recife

  • Williams Aguiar/Sport

    Ídolo, artilheiro e na seleção, Diego Souza tem sido imagem e semelhança do Leão da Ilha

    Ídolo, artilheiro e na seleção, Diego Souza tem sido imagem e semelhança do Leão da Ilha

Diego Souza tem mais um chance de conquistar seu primeiro título pelo Sport, nesta quarta-feira (28), contra o Salgueiro, na tardia decisão do Campeonato Pernambucano.

O meia-atacante de 32 anos vive situação peculiar no Sport. Mesmo sem ter sido campeão em quase quatro anos de clube, é ídolo inconteste da torcida. Embaixador do título brasileiro de 87, número que escolheu para estampar às costas, ele coleciona feitos pelo Leão da Ilha.

Um dos artilheiro do Brasileirão do ano passado com 14 gols, Diego Souza tornou-se o primeiro jogador do Sport se sagrar-se goleador da Série A – e também igualou Luís Carlos como jogador do clube com mais gols numa mesma edição da elite.

Também entrou no seleto grupo de jogadores de clubes do Nordeste a atingir a artilharia da primeira divisão. Até então, apenas Ramon, do Santa Cruz, em 1973, e Charles, do Bahia, em 1990, havia conseguido o feito.

Outro motivo de orgulho para a torcida do Sport em relação ao seu ídolo tem sido as constantes convocações e o bom desempenho na seleção brasileira. Em 2017, Diego Souza já foi lembrado por Tite três vezes: no amistoso contra a Colômbia em janeiro, pelas Eliminatórias ante Paraguai e Uruguai em março e nos amistosos contra Argentina e Austrália neste mês.

Na ocasião, atuando como titular no lugar de Gabriel Jesus, que se machucara contra a Argentina, ele marcou duas vezes contra os australianos – sendo que o primeiro deles entrou para a história como o gol mais rápida da canarinho, 10 segundos.

Além das marcas e feitos pelo Leão da Ilha, Diego também ganhou a admiração dos torcedores rubro-negros com a forte identificação com o clube e com o Recife. Ele declarou diversas vezes que o Sport era a agremiação com que mais se identificara ao longo da carreira.

Em 146 jogos pelo Sport, Diego Souza marcou 49 gols. Contra o Salgueiro, terá a chance de chegar à marca de 50 - e, principalmente, de conquistar um título no clube do qual é ídolo, mas pelo qual ainda não foi campeão. Em sua única chance até então, perdeu para o Bahia na decisão da Copa do Nordeste.

Assim, o título pernambucano é o pagamento da "dívida" de DS87 com os torcedores rubro-negros. "Quero ser campeão. Ainda não fui aqui no Sport e tenho essa oportunidade. Sem dúvida nenhuma vou fazer de tudo para voltar para o Recife com esse título que para mim vai ser muito importante", destacou Diego Souza ao site do clube.

Desfalcado, Salgueiro tenta título inédito para o interior

Fundado em 1972, mas profissionalizado apenas em 2005, o Salgueiro receberá o Sport no sertão para fazer história: caso seja campeão, será a primeira vez que a taça irá para o interior do estado. No jogo de ida, no dia 7 de maio, deu empate por 1 a 1 na Ilha do Retiro.

Todos os outros sete campeões pernambucanos, entre os quais apenas quatro mantêm até hoje suas atividades, são do Recife. Além do trio de ferro formado por Santa, Sport e Náutico, o América (apelidado de Mequinha) também já se sagrou campeão.

"Para o futebol de Pernambuco seria um rejuvenescimento, uma reciclagem um time do interior conseguir ser campeão. Um dos três grandes já perdeu uma vaga na Copa do Nordeste, então mesmo que [o Salgueiro] não seja campeão, já estamos na Copa do Nordeste. E um clube do interior ser campeão vai estimular outros clubes a investir no futebol e fazer frente aos times da capital", afirmou o presidente do clube, José Guilherme, ao UOL Esporte

Para isso, no entanto, o Salgueiro terá de superar desfalques. À priori, o jogo de volta da final foi marcado para o 18 de junho devido ao calendário; posteriormente, novamente por causa do entroncamento das datas, foi adiado para o dia 28. Neste período, o Carcará perdeu seu grande destaque na competição, o meia Valdeir, negociado com português Deportivo Aves.

Com a distância de quase dois meses entre as finais, ademais, os jogadores que chegaram para reforçar o elenco não estão inscritos na competição. É o caso de seis atletas que já compõem o elenco na disputa da Série C. No Sport, sete jogadores também vivem situação semelhante, embora o time a capital conte com elenco mais técnico e farto. 

"Será difícil, o Sport é um time grande, tem jogador de seleção, técnico com passage pela seleção... Um jogador paga três meses de salário da gente, mas o Salgueiro está sempre aprontando nos mata-matas", sublinhou o presidente do Salgueiro, cuja despesa mensal não ultrapassa os R$ 180 mil. 

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos